65096509

17 setembro 2015

spc-mbf-padrao-de-vida-amigos

4 em cada 10 internautas brasileiros gastam mais do que deveriam. Descubra como mudar de comportamento e viver de acordo com sua renda real

Para muitas pessoas é difícil manter um padrão de vida idealizado, que criamos nos últimos tempos. Mas, a verdade é que, em algumas situações , o que fazemos para nos divertir, como receber os amigos em casa, ir a  bares e restaurantes e viajar, precisa ficar fora da programação e enfrentar essa realidade é necessário.

Por isso, pare um minuto e avalie se você está vivendo de acordo com sua renda. Para fazer essa análise basta responder algumas perguntas: todo mês você tem muita dificuldade para pagar as contas? Vez ou outra fica no vermelho? Você precisa parcelar tudo que deseja comprar? Não consegue guardar dinheiro para imprevistos? Você nunca deixa de adquirir o que deseja ou fazer o que gosta, mesmo se a organização financeira diz para você segurar um pouco os gastos?

Se você responder sim para a maioria das respostas, chegou a hora de rever seu padrão de vida. E nós sabemos que não é fácil. Segundo um estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), quatro em cada dez internautas vivem fora do padrão de vida que seria adequado à sua realidade financeira e, mais da metade dos entrevistados (54 por cento), está insatisfeita com o padrão atual. Por outro lado, 84 por cento estão otimistas e acreditam que seus padrões aumentarão de nível em cinco anos. “A pesquisa mostra que 52 por cento dos entrevistados garantem estarem se profissionalizando e trabalhando e por isso o padrão de vida deve melhorar. No médio prazo, esperam colher os frutos com cargos melhores e boas perspectivas de crescimento no emprego”, avalia Roque Pellizzaro Junior, presidente do SPC Brasil.

Mas, mesmo levando em consideração essa visão otimista, é necessário encarar a realidade atual que mostra que 49 por cento dos brasileiros mantém o padrão de vida que possuem, com dificuldades financeiras ou se endividando. Neste contexto, é importante ficar alerta. “Se você ganha R$2.000, claramente não pode gastar mais do que isso no mês ou vai se endividar. É preciso fazer contas, cortar gastos e mudar um pouco as atitudes do dia a dia”, aconselha José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz.

E para ajudar os leitores a adequarem o padrão de vida à renda mensal, o Portal Meu Bolso Feliz organizou um passo a passo para mudarmos nossos hábitos de forma leve e saudável.

Comece percebendo os sinais e aceite as mudanças

No início desse texto você já respondeu sim para a maioria dar perguntas e acha que está gastando mais do que deve. Agora é hora de reconhecer que seus gastos extras precisam ser cortados e entender o motivo principal de você gastar mais do que pode. O primeiro passo é descobrir onde está o problema. Entre os motivos principais estão:

1 – Falta de balanço financeiro organizado, erros de cálculos e falta de atenção com o cartão de crédito e gastos extras. Neste caso, use o Simulador Diagnóstico Financeiro e comece a organizar suas finanças, definindo o que sai todo mês, o que é possível ser cortado e onde você pode parar de gastar.

2 – Gastos que simbolizam desejos de ter o que todos tem. Entre os preferidos estão roupas, calçados, eletrônicos (celulares e tablets), eletroeletrônicos (televisores) e, até, carros. Aqui, a solução é controlar o impulso de compra e adaptar-se a um estilo de vida condizente com sua realidade financeira. Para isso,  comece, a partir de já, a mudar os hábitos de consumo.

Adote atitudes saudáveis

Sabendo onde está o problema, é mais fácil começar a adotar atitudes que te farão pisar no freio e, claro, economizar. Então:

Fique atento ao dia a dia

É isso mesmo. São pessoas e ações do dia a dia que podem fazer com que você se descontrole. Isso acontece porque, numa sociedade consumista, as pessoas sentem a necessidade de se mostrarem sempre bem e é aqui que um vizinho, um familiar, um amigo ou, até, um colega de trabalho podem te influenciar.

Almoços mais caros, as roupas de marca, fins de semana divertidos com aquela turma de amigos e  as histórias de viagens que contam podem aumentar seu desejo de seguir um padrão de vida que não é o ideal para você. Por isso, se posicione em todas as esferas de sua vida e viva com consciência e moderação. “Você estará imune a estas tentações se estiver focado em seus planos e sonhos com tranquilidade, equilíbrio e planejamento”, completa Vignoli.

Corte os supérfluos 

Invista em medidas práticas e que te ajudarão a viver com menos:

1 – Quando tiver vontade de comprar algo que não precisa, calcule quanto tempo do seu trabalho é necessário para pagar esse desejo.

2 – Quando for comprar roupas ou eletrônicos, avalie se não tem nada em casa que faça o mesmo papel desse item novo.

3 – Adquira objetos e roupas que terão utilidade e que vão durar muito. Qualidade na hora da compra é essencial.

4 – Não encare o cheque especial e o cartão de crédito como parte de sua renda.  Use-os com muito cuidado, controle e em situações realmente necessárias.

5 – Quando for comprar um bem de valor elevado, como um carro, por exemplo, leve em consideração os gastos extras que terá com a nova aquisição. Afinal, a parcela pode até caber no seu bolso, mas o seguro, a manutenção e a gasolina podem pesar.

6 – Não deixe de comprar ou fazer coisas que gosta, mas faça com consciência. Você está louca para adquirir uma calça jeans e uma roupa nova. Então, que tal comprar uma peça esse mês e deixar a outra para o mês seguinte?

Fuja das maiores armadilhas!

O estudo ainda avaliou quais os itens que nos fazem extrapolar nosso orçamento com mais facilidade. Entre eles, o supermercado é o maior vilão, seguido por almoços e jantares para receber amigos e parentes em casa, a compra de roupas e sapatos e a ida a bares e restaurantes. E para sair ileso dessas armadilhas, fique de olho no seu comportamento do dia a dia:

1 – Faça contas. Ao sair para fazer a compra do mês, por exemplo, veja quanto pode gastar e corte da lista os supérfluos que não cabem no seu orçamento.

2 – Nunca esqueça de controlar seu orçamento e checar com frequência se você está extrapolando ou não.

3 – Reduza os eventos em grupo e estipule um dia no mês para receber amigos e familiares em casa. Isso, é claro, se essa recepção não for te endividar e atrapalhar a quitação das despesas fixas.

4 – Quando for convidar alguém para jantar, faça escolhas baratas. Você sabia que fazer sua própria pizza é mais barato – e muito mais divertido – do que pedir delivery? Outra opção é cada um trazer de casa um aperitivo e uma bebida.

5 – Antes de sair comprando roupas novas e produtos de beleza, busque tutoriais que te ensinam a usar os produtos que você tem em casa e leia dicas de peças coringas que funcionam com tudo. Você vai descobrir que tem muito mais no seu armário e no seu banheiro do que imagina.

6 – Lembre-se que você não precisa impressionar os outros. Saiba que roupas e produtos de beleza de qualidade não precisam ser, necessariamente, de marcas famosas.

7 – Pondere. Se você precisa parcelar em várias prestações aquele telefone novo ou a TV super moderna, avalie se é mesmo o momento de comprar.

 

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

aposentadoria-onde-investir-quanto-guardar
Aposentadoria: planeje-se hoje e evite problemas amanhã!
Uma aposentadoria tranquila depende de ações tomadas no presente. Veja de que forma agir hoje para não ter   [...]
estabilidadeFinanceira_imagemNoticia
5 passos para você alcançar a estabilidade financeira
Veja como conseguir a tão sonhada estabilidade financeira e livrar-se das dívidas de uma vez por todas!  [...]
spc-mbf-financas-familia-organizar
Como organizar as finanças na família
Conversar sobre dinheiro, em casa, é mais importante do que parece. Veja como se educar financeiramente junto  [...]