73537353

26 abril 2016
socio-torcedor-vale-a-pena
Veja como funcionam os programas de sócio torcedor dos clubes de futebol e se eles realmente compensam em termos de economia

Conseguir arcar com os preços dos ingressos para jogos de futebol no Brasil é uma realidade cada vez mais distante dos torcedores. Os novos e modernos estádios – chamados agora de arenas – levaram os preços às alturas. Para quem não possui o benefício da meia-entrada, a única forma de baratear o custo dos ingressos é virar um sócio torcedor do seu time, o que implica em pagamento de uma mensalidade ou anuidade. Será que vale a pena?

Para os clubes o negócio é vantajoso, afinal, é uma forma de garantir uma renda anual fixa, mesmo com estádios vazios. Justamente por isso, eles investem em estratégias para “fidelizar o cliente”, aumentando a porcentagem de desconto para os sócios mais assíduos.

“Para o torcedor que vai a poucos jogos não vale a pena. Muitas vezes, o único benefício é prioridade na compra do ingresso. É pouco para justificar a adesão”, diz Maurício Barros, torcedor do Corinthians e sócio do “Fiel Torcedor”. Para incentivar a adesão dos torcedores, a maioria dos programas oferece também benefícios e descontos em produtos. “Não é pelos produtos que eu sou sócio, mas porque compro o ingresso antes, com desconto e ainda ajudo meu time”, diz o palmeirense Vital Ferreira, sócio do “Avanti”.

Abaixo, explicamos como os programas funcionam e comparamos uma média de valores gastos para assistir aos jogos como sócio torcedor, não sendo sócio torcedor e pelo Pay-per-view na TV por assinatura.

Como funciona?

As regras específicas de cada programa variam de time para time. No geral, você paga via cartão de crédito, débito em conta ou boleto, uma mensalidade ou uma anuidade, que pode ser dividida em diversas parcelas, e passa a ter o benefício de poder comprar seu ingresso antecipadamente e com um desconto, que normalmente varia de 20 por cento a 75 por cento, dependendo do plano. A adesão pode ser feita pela internet. Em geral, além dos benefícios diretamente ligados à ida ao estádio, os programas oferecem também sorteios de viagens, experiências (uma tarde de autógrafo com jogadores, por exemplo), visitas ao clube, etc. Além disso, o associado recebe brindes no instante da adesão e pode se cadastrar no site Movimento por um Futebol Melhor e obter descontos em diversos produtos.

Afinal, quando compensa ser sócio torcedor?

Depende de quantas vezes você vai ao estádio! Veja depois da tabela as vantagens e desvantagens de três formas diferentes de ver seu time jogar.

socio-torcedor-tabela-vale-a-pena

Estádio – não sendo sócio torcedor

Para garantir seu ingresso é preciso ficar de olho quando a bilheteria abre, já que quem é sócio torcedor tem prioridade na compra, ou seja, pode comprar antes. “O problema não é o risco de faltar lugar, porque hoje os estádios dificilmente lotam. A questão é que muitas vezes não sobram ingressos nos setores mais baratos”, diz o empresário Paulo Garcia, torcedor do Corinthians. Na Arena Corinthians, para assistir aos jogos do Campeonato Paulista, o ingresso mais barato custa R$50. Esgotadas as entradas nestes setores, sobram apenas os setores que custam de R$100 a R$180.

Vantagens

• Ver o jogo no estádio;

• Não se sentir na obrigação de ter que ir no estádio só porque já pagou a anuidade do programa de sócio torcedor;

• Pagar apenas pelo preço do ingresso, sem ter que arcar com nenhuma anuidade ou mensalidade extra;

• O melhor custo-benefício para quem assiste poucos jogos no estádio.

Desvantagens

• Corre o risco de só poder escolher entre os setores mais caros do estádio, já que quem faz parte do programa sócio torcedor tem prioridade na compra. E, em jogos mais disputados, como finais de campeonato, pode nem sequer conseguir um ingresso;

• Custo com transporte;

• Custo com bebida e alimentação.

Pay-per-view

Quem acompanha futebol sabe que não é sempre que o jogo do seu time é transmitido pela TV aberta. Assim, para assistir à partida, é preciso ou ir ao estádio ou pagar o pay-per-view (sistema onde os usuários podem comprar uma programação específica). O PPV, no entanto, só vale para quem já é assinante de uma TV a cabo. Considerando aqui os valores oferecidos pela operadora NET*, para comprar a transmissão de um jogo avulso gasta-se R$90 – além da assinatura mensal, que custa o mínimo de R$ 84,90. Para assinar o pacote que libera todos os jogos, paga-se R$101,90 por mês.

Vantagens

• Parte do valor da assinatura é destinada ao clube escolhido;

• Possibilidade de assistir aos jogos pela internet, via computador, tablete ou celular;

• Acesso a todos os canais do plano de TV a Cabo escolhido;

• Não há a necessidade de comprar o ingresso com antecedência;

• Economia com transporte.

Desvantagens

• Quem gosta de ver jogo de futebol no estádio tem que se contentar em assistir pela TV;

• Compromisso financeiro alto, no caso do pacote. Afinal, mesmo se não assistir a nenhum jogo, deve arcar com a mensalidade;

• Custo total mais alto.

Estádio – como sócio torcedor

Embora o sócio torcedor tenha descontos e prioridade na aquisição dos ingressos, quem faz parte do programa e não costuma ir a muitos jogos pode ter acesso apenas a descontos mínimos e ter que esperar mais que os outros sócios para garantir sua entrada. Isso porque a maioria dos programas desse tipo prioriza os sócios mais assíduos aos jogos. Assim, estes é quem terão acesso aos primeiros ingressos (normalmente os mais baratos) e aos descontos mais significativos.

Vantagens

• Prioridade na compra e descontos no ingresso;

• Chance de participar de sorteios para ganhar prêmios, como um café da manhã com os jogadores, por exemplo;

• Possibilidade de se cadastrar no site Movimento por um Futebol Melhor, que oferece descontos em produtos;

• Brindes no instante em que vira sócio;

• Melhor custo benefício para quem vai a muitos jogos no estádio.

Desvantagens

• Custo com transporte;

• Custo com bebida e alimentação;

• Chance de só conseguir ingresso no setor mais caro e ainda só poder utilizar o desconto mínimo;

• Pagamento de anuidade, além do custo com o ingresso;

• Dependendo do plano escolhido, não há sequer o benefício do desconto nos ingressos.

Conclusão

Para os que vão ao estádio uma vez por mês e olhe lá, fazer parte do programa de sócio torcedor não é vantagem. Além de quase não ter acesso aos benefícios, o custo mensal acaba sendo maior.

Os programas de sócio torcedor compensam para quem vai muito ao estádio e não abre mão de ver ao vivo seu time jogar. O pensamento é: já que você terá esse gasto de qualquer forma, então entrar no programa é um jeito de reduzir custos. Mas, para ser um torcedor roxo sem deixar a conta no vermelho é preciso organização financeira! “Não é apenas o custo do ingresso. O torcedor gasta com transporte, comida, a famosa cervejinha… além do que investe em camisa oficial, chuteira de marca, viagens para ver o time quando ele joga fora da sua cidade, enfim. Mensalmente, resulta num gasto considerável”, diz José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz.

Assim, procure, mensalmente, avaliar o quanto sua paixão está afetando seus gastos e se está balanceando essas despesas com economias em outras áreas. Um bom jeito de fazer isso é anotar cada gasto com o futebol para, ao final do mês, saber o quanto gastou – e o quanto precisa cortar para manter suas finanças equilibradas. “Embora o valor pareça baixo, ao final do mês, junto com todos os outros gastos do período, ela pode, sim, pesar na conta”, alerta o educador.

Dicas para economizar no futebol

Sendo sócio torcedor
• Quem decidiu virar sócio torcedor deve, antes de se inscrever, avaliar se a despesa com a anuidade ou mensalidade do programa cabe no orçamento mensal para que possa ser paga. “Não pense ‘o que vou economizar nos ingressos já compensa a anuidade’. Considere a inscrição no programa como uma nova despesa, que deve ser compensada. Dessa forma, a economia que terá será um bônus”, diz o especialista. Assim, supondo que você pagará R$21 por mês de mensalidade, avalie o que pode ser cortado para compensar esse gasto, como, por exemplo, um jantar fora. “Vale ressaltar que esse valor é acompanhado pelo custo do ingresso, mais transporte e, às vezes, bebida e alimentação”, diz Vignoli.

• Cuidado com a armadilha de, só porque se inscreveu no programa, achar que precisa ir em todos os jogos, para conseguir melhores descontos e “fazer valer” a grana paga. Lembre-se que arca com gastos adicionais ao da mensalidade a cada ida ao estádio. Só vá ver o jogo ao vivo se seu bolso permitir.

Indo ao estádio
• Coma alguma coisa antes, em casa ou em um lugar que saiba que não é tão caro – no caso de ir direto do trabalho. Afinal, os lanches e aperitivos vendidos dentro dos estádios estão com o preço tão salgado quanto o do ingresso.

• Veja se não é mais fácil usar o transporte público para chegar ao estádio. Além de evitar o trânsito, você economiza com gasolina e estacionamento. Se tiver que ir de carro, convide amigos para dividir os gastos.

• Fique de olho em promoções e redução de preço nos ingressos. “Há algumas semanas, meu time jogou e o ingresso era gratuito para mulheres. Aproveitei para ir a um estádio pela primeira vez”, diz Andrea Lallis, torcedora do São Paulo. Para isso, acompanhe as redes sociais do seu clube do coração.

Assistindo em casa
• Sabe aquele amigão que torce para outro time? Vocês podem dividir a mensalidade do PPV. O pacote não permite que a mesma partida seja transmitida em mais de um aparelho, mas, caso não queira ver absolutamente todos os jogos, pode compartilhar sua assinatura para que um fã de outro clube acompanhe o time dele.

• Outro jeito de economizar é juntar os amigos para torcerem juntos. “A melhor coisa é ver o jogo na casa de alguém que tenha PPV ou então ir num bar que vá passar o jogo. Sai mais barato e é mais divertido”, diz o jornalista Fernando Puglia.

• Alguns grandes portais e sites de emissoras de TV transmitem ao vivo e online jogos de futebol. É um jeito gratuito de assistir. Você precisa, no entanto, de uma boa rede de internet.

*valores pesquisados em 15/4, no site da operadora
Paula Aftimus

Paula Aftimus

Jornalista com especialização na State University of New York, editora de publicações e portais do Grupo Abril e especialista em mídias digitais. Passagem acadêmica pelas áreas de Serviço Social e Educação e MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV

Veja também

consumo-consciente-mbf
Descubra se você já é um consumidor consciente
Muito além de pensar antes de comprar, ter consciência na hora de consumir envolve atitudes que ajudam o mei  [...]
mbf_banner_noticias_12-rv21n
7 dicas para vencer a crise financeira no casamento
Especialistas apontam medidas para o casal e a conta bancária serem felizes para sempre A Universidade de Kan  [...]
viajar-crise-planejar
Como se planejar financeiramente para viajar
Com essas dicas do Portal Meu Bolso Feliz o sonho de fazer uma grande viagem pode, sim, caber no seu orçament  [...]