51915191

04 dezembro 2014
mbf_banner_noticias_12-m0937
Vejas as vantagens, as desvantagens e os riscos de investir em um empreendimento que ainda não saiu do papel

 

Você conseguiu juntar uma grana para, enfim, investir no sonho da casa própria. E então, com tantas opções no mercado, surge a dúvida: será que vale a pena comprar algo na planta?

 

“Por muito tempo a maioria da população não possuía condições de adquirir uma casa própria, então as construtoras privilegiavam empreendimentos de alto padrão. Hoje, com o aumento do poder de compra do brasileiro, o mercado de imóveis na planta cresceu, oferecendo opções com valores mais populares”, explica o consultor imobiliário Carlos Alberto Glaser. Mas, se por um lado as opções de imóveis na planta são muitas e para todos os bolsos, por outro existe o risco que envolve comprar algo que ainda não está pronto. “E se a construtora atrasar a obra ou mesmo falir e não entregar o imóvel? É um investimento financeiro – e emocional – considerável”, alerta Marcela Ponce Kawauti, economista chefe do SPC Brasil. Veja abaixo as vantagens, as desvantagens e os riscos de investir em um empreendimento que ainda não saiu do papel.

 

Vantagens
Valor da entrada diluído nas parcelas

A entrada de um imóvel pronto gira em torno de 10% a 20% do valor total, já a entrada de um empreendimento na planta é 10% maior, cerca de 30% do valor total do imóvel. No entanto, na hora de assinar o contrato, o valor a ser desembolsado no ato é menor no segundo caso. Motivo: os 30% referentes à entrada do imóvel ainda na planta são rateados nas parcelas que serão pagas no período de obra.

 

Valorização do imóvel

O valor do imóvel na planta costuma ter uma valorização de cerca de 30% da quantia paga pelo comprador, já descontado a correção financeira, segundo o consultor imobiliário Carlos Alberto Glaser. Ou seja, se na hora de assinar o contrato, com o imóvel ainda na planta, o valor do seu apartamento era de R$180 mil, ao receber as chaves talvez ele esteja com valor de mercado de R$234 mil.

 

Possibilidade de abater parcelas

O comprador pode aumentar os valores das parcelas, no período de obra, conseguindo assim um maior abatimento no valor total do imóvel, precisando, na entrega das chaves, de um financiamento menor.

 

Maior opção de escolha

Com várias opções disponíveis num mesmo empreendimento, o comprador tem mais opções ao escolher sua unidade. Pode preferir uma que receba o sol da manhã, num andar mais alto, etc.

 

Plantas mais modernas

Tratando-se de novos empreendimentos, é mais fácil conseguir “vantagens”, como mais vagas na garagem, academia, salão gourmet, etc., sem falar na própria arquitetura do imóvel, mais adaptada a rotina moderna.

 

Tudo novinho

Você pode escolher certos acabamentos sem precisar pagar mais (e sem ter que gastar com possíveis reformas no futuro). Além disso, como a estrutura é toda nova, você corre menos risco de sofrer com encanamento, sistema elétrico, etc. – pelo menos por algum tempo.

 

Desvantagens
Será mesmo a opção mais barata?

Em teoria, o valor total de um imóvel vendido ainda na planta é menor. Mas, na prática, pode ser que um apartamento já pronto esteja com um preço competitivo. Compare sempre o valor de um imóvel na planta com o de um novo, mas já construído, na mesma região. Se for elas por elas, vale considerar o certo – em vez do duvidoso.

 

O imóvel pode nunca ficar pronto

Um grande risco de comprar imóvel na planta é o de jamais receber as chaves da sua nova casa. Caso a incorporadora entre em falência, por exemplo, você terá uma bela dor de cabeça pela frente. A quantidade de construtoras que faliram ou fecharam as portas no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, por exemplo, cresceu consideravelmente nos últimos cinco anos.

 

Atrasos na obra

Atrasos são relativamente comuns tratando-se de empreendimentos na planta. Tanto que muitos contratos preveem um atraso de seis meses para a entrega. De qualquer forma, fique atento se, no contrato, há menção de penalidades no caso de a obra não sair no tempo determinado. Procure informar-se sobre a construtora com outros clientes, que já tiveram imóveis feitos pela empresa.

 

Falta renda para bancar o financiamento

Pode ser que no momento da aquisição do imóvel na planta você tinha uma situação financeira estável, mas, dois anos depois, na entrega das chaves, não possua mais a renda para arcar conseguir um financiamento imobiliário. Nesse cenário, você pode acabar tendo que se submeter ao financiamento da própria incorporadora – com juros altíssimos – ou, pior, perder o imóvel, tendo ainda que pagar multas contratuais.

 

Poupança X Financiamento imobiliário

Há quem considere se vale a pena investir em imóveis não do ponto de vista do risco de comprar um apartamento na planta, mas vendo o lado econômico da coisa. Será que, depositando essa grana todo mês na poupança eu não juntaria mais dinheiro – e então conseguiria dar uma entrada considerável num imóvel já pronto?

 

mbf_miniinfo_noticias_poupanca_v03

 

Fonte dos dados: Banco Central do Brasil e BMF (Taxas Financiamento Imobiliário – Caixa Econômica, sistema pré-fixado)
“É sempre melhor juntar dinheiro para comprar à vista. A comparação acima serve para mostrar que em qualquer financiamento o pagamento total acaba sendo bem maior do que se guardássemos o dinheiro, mesmo em uma aplicação conservadora como a poupança”, analisa Marcela Ponce Kawauti, economista chefe do SPC Brasil.

 

Fique atento!

• Ao escolher a empresa que está construindo o imóvel, verifique se a mesma não possui histórico de problemas de entrega, de construção e principalmente de resolução, no caso de problemas.

• Investigue a área onde será construído o empreendimento. Procure saber se o imóvel possui o R.I. (Registro de Incorporação), que é fornecido pela Prefeitura. Descubra também se o imóvel tem um CNPJ próprio, com nome do empreendimento e banco financiador da obra.

• Observe se o que consta nos anúncios condiz com a planta aprovada pela prefeitura e com o memorial descritivo do empreendimento.

• Por fim, tenha consciência do quanto precisará pagar mensalmente nas prestações, caso for fazer um financiamento. Empresas sérias não vendem o imóvel caso o comprador não comprove renda e condições de arcar com as parcelas.

Fonte: Procon-SP

 

SAIBA MAIS:

Pesquisa de imóvel 

Compra da Casa própria 

Paula Aftimus

Paula Aftimus

Jornalista com especialização na State University of New York, editora de publicações e portais do Grupo Abril e especialista em mídias digitais. Passagem acadêmica pelas áreas de Serviço Social e Educação e MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV

Veja também

spc-mbf-como-comparar-pacotes-de-tv-internet
Como escolher o melhor pacote de TV e internet
Entenda como funciona a venda combinada de TV por assinatura, internet, telefone fixo e telefone celular e sai  [...]
01
7 atitudes para não sofrer (tanto) com a crise
Veja dicas de ações práticas para sobreviver à crise econômica do país sem sofrer tanto com a tuburlênc  [...]
mbf_banner_noticias_06_
Presentes criativos e econômicos para surpreender no Dia dos Pais
Crie uma lembrança inesquecível, carregada de significado. Inspire-se!  [...]