63396339

13 agosto 2015
tudo-sobre-credito-consignado
Entenda o que é e como funciona o Crédito Consignado e quando vale a pena contratar o empréstimo

Inflação alta, câmbio subindo e desemprego aumentando. Neste cenário de crise econômica, o brasileiro pode ter no crédito consignado uma alternativa para pagar as suas dívidas ou adquirir algum bem através de um financiamento mais barato. Segundo pesquisa realizada pelo Portal Meu Bolso Feliz e pelo SPC Brasil, três em cada dez brasileiros (34 por cento) já fizeram esse tipo de empréstimo. “A modalidade oferece a vantagem de se conseguir dinheiro emprestado a juros mais baixos. Por outro lado, a pessoa que toma esse tipo de crédito precisa aprender a conviver com um salário ou renda menor”, explica José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz. Isso porque a principal diferença do crédito consignado para os outros empréstimos é a forma de pagamento: todo mês, as parcelas da dívida saem direto do seu salário ou benefício do INSS antes mesmo que você receba o dinheiro.

Apesar dos juros menores, no entanto, lembre-se que o crédito consignado é um empréstimo. Ou seja, a contração de uma dívida que, como tal, exige cuidado. Segundo a mesma pesquisa, os consumidores que contrataram o empréstimo consignado o fizeram por três principais motivos: “pagar dívidas de outros empréstimos como as do cartão de crédito” (47 por cento das respostas); “comprar eletrodomésticos e móveis” (15 por cento) e “pagar contas como aluguel, condomínio, luz, telefone e escola” (14 por cento). “O crédito consignado deve ser acionado somente em situações de sufoco ou real necessidade”, diz Vignoli. E, com o aumento do limite de renda que pode ser comprometido com o crédito consignado (de 30 para 35 por cento), em vigor desde julho deste ano, a cautela ao contratar o empréstimo deve ser ainda maior.

Entenda abaixo como funciona o crédito consignado e quando vale a pena contratar esse tipo de empréstimo.

O que é o crédito consignado?

Trata-se de um empréstimo em que, todo mês, as parcelas da dívida saem direto do seu salário ou benefício do INSS antes mesmo que você receba o dinheiro. Com a garantia que receberão as parcelas em dia, os bancos e financeiras conseguem cobrar juros menores, afinal, o risco de inadimplência é mínimo.

Como funciona?

O crédito consignado pode ser obtido em bancos ou financeiras, por qualquer pessoa que tenha carteira assinada (desde que a empresa tenha convênio para esse tipo de empréstimo) ou seja aposentado e pensionista do INSS, além de funcionários públicos federais, estaduais, municipais e também os militares (forças armadas).

A duração do empréstimo deve ser de no máximo 72 meses e, seguindo as determinações do Banco Central, o valor de cada parcela não pode ser maior do que 35 por cento do seu salário ou aposentadoria. 5 por cento desta porcentagem, no entanto, só podem ser usados para pagamento de compras com o cartão de crédito. Isso porque as instituições financeiras oferecem um cartão de crédito consignado, com pagamento mínimo da fatura descontado em folha de pagamento. Embora possível a contratação de mais de um crédito consignado, a soma das parcelas não pode ultrapassar os mesmos 35 por cento do salário ou pensão.

A taxa de juros deste tipo de empréstimo varia dependendo do banco ou financeira escolhida. No site do Ministério da Previdência Social é possível baixar a lista completa das taxas de juros praticadas pelos bancos em relação ao crédito para aposentados e pensionistas. Já no site do Banco Central do Brasil você encontra as taxas para os demais clientes. Lembrando que, além das taxas, é cobrado o Imposto sobre as Operações Financeiras (IOF).

Quando fazer um empréstimo consignado?

Considerando que você receberá menos por mês e não terá como atrasar o pagamento da dívida, é preciso ter certeza de que o crédito consignado é mesmo necessário. “Este tipo de crédito foi criado para realizar sonhos importantes, em situações que muitas vezes não poderiam ser concretizadas de imediato. Mas precisa ser utilizado com sabedoria e planejamento para que o sonho não se torne um pesadelo”, diz o educador financeiro. Pagar as contas do dia a dia, por exemplo, é algo que deve fazer parte do planejamento financeiro da família, não motivo de contração do empréstimo. O mesmo vale para pequenos luxos ou consumos que não são necessidades. “Tudo que pode ser programado com antecedência, ou seja, poupando mês a mês para, se possível, ser quitado à vista, não deve ser justificativa para se fazer um empréstimo”, explica o especialista.

“O empréstimo consignado é vantajoso para quitar dívidas com juros mais altos, como por exemplo outro empréstimo, rotativo do cartão de crédito ou cheque especial. É a velha história de trocar uma dívida mais cara por uma mais barata – mas ainda é uma dívida”, diz Vignoli.

Com os 5 por cento a mais para serem usados para pagamento de compras feitas com o cartão de crédito consignado, essa troca entre juros do rotativo do cartão de crédito (que chegaram a 360,6 por cento ao ano*) pelos juros do cartão de crédito consignado (27,2 por cento ao ano*) se mantém vantajosa. O problema é que, com essa ampliação, sobra menos dinheiro para bancar outras despesas, como água, luz, medicamentos e moradia. “Com 35 por cento comprometido, sobram apenas 65 por cento para todas as outras despesas, o que pode levar à inadimplência em outras áreas, caso falte organização financeira”, alerta Vignoli.

O bom uso da modalidade de crédito é frente despesas inesperadas, como, por exemplo, a necessidade de fazer uma cirurgia ou a compra de remédios. Por ter juros mais baixos, é a melhor maneira de arcar com esse custo sem se apertar – tanto – no futuro.

*Segundo informações do Banco Central, de junho/2015

Saiba mais:

3 em cada 10 brasileiros já usaram o crédito consignado, revela pesquisa

Crédito consignado: como funciona e quando acionar

Como quitar suas dívidas e fugir da inadimplência

Paula Aftimus

Paula Aftimus

Jornalista com especialização na State University of New York, editora de publicações e portais do Grupo Abril e especialista em mídias digitais. Passagem acadêmica pelas áreas de Serviço Social e Educação e MBA em Gerenciamento de Projetos pela FGV

Veja também

ciladas-limpar-nome-mbf-spc
Cuidado com as ciladas na hora de limpar seu nome
A situação complicou e seu nome foi negativado. Saiba qual a melhor maneira de sair dessa – sem se enrolar  [...]
Untitled-1
Franquias que cabem no seu bolso!
Muita gente deseja ser seu próprio chefe. Mas, caso esteja planejando abrir uma franquia, comece a pesquisar   [...]
mbf_banner_noticias_15
Carro é primeira opção para quem busca financiamento
Automóvel  ainda é a paixão nacional  do  consumidor  brasileiro. Especialistas dão dicas para escolhe  [...]