66026602

20 outubro 2015
shutterstock_157784930
Descubra o que pode fazer para superar os obstáculos e se dar bem. Criatividade e foco estão entre as principais sacadas

Empreender em tempos de crise prolongada e sem data para terminar tem sido um desafio árduo, que exige dos empreendedores muito preparo, criatividade e jogo de cintura para manter o negócio saudável.

 
Com alguns cuidados e mudanças de estratégia, porém, é possível superar as dificuldades e atravessar este momento sem grandes percalços. “É nestas ocasiões que os bons empresários realmente se destacam no mercado, por saber planejar o seu negócio e ter uma gestão que será fundamental para auxiliá-los a tomar decisões importantes, que podem definir o rumo da empresa”, aponta Marcela Ponce Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.  

 

Capriche no planejamento

Seja para abrir o seu negócio ou reorganizar as suas estratégias de atuação, fazer um planejamento detalhado – e com os pés no chão – poderá ser o diferencial entre se dar bem no mercado ou assistir de camarote à derrocada da sua empresa. “Estamos vivendo um momento de bastante austeridade e, por isso, é necessário mais do que nunca caprichar nos na gestão financeira, cortar gastos e, ao mesmo tempo, tentar analisar como colocar o dinheiro para circular na empresa, pois só assim ela conseguirá se manter de pé e ir se fortalecendo”, afirma Paulo Marcelo, consultor do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas).

 

Reorganize o seu portfólio de produtos e serviços

“O empresário deve ter em mente que as pessoas continuarão comprando durante a crise, mas em volume e valores menores. É preciso compreender o novo perfil deste consumidor e fazer mudanças nos tipos de produtos e serviços, de forma que realmente sejam capazes de sanar as suas necessidades. Uma lanchonete que crie opções de lanches mais simples e baratos, por exemplo, ampliará consideravelmente as suas possibilidades de vendas”, argumenta Marcela Ponce Kawauti.

 

Diversifique

Diversificar o portfólio de produtos e serviços é outra estratégia fundamental para dar mais fôlego ao empreendimento e se proteger das variações do mercado. Foi o que fez o florista Roberto Rabello, ao ver diminuir significativamente as suas vendas para floriculturas e decoração de festas. “Além de flores, passei a vender pimentas e, em apenas três meses de negócio, este novo nicho já representa 30 por cento do meu faturamento total”, relata ele, que usa uma fanpage no Facebook para divulgar o seu trabalho e, assim, atrair mais clientes.

 

Saiba usar a criatividade

Usar a criatividade também é essencial para se diferenciar dos concorrentes sem precisar de vultosos investimentos. “Você pode agregar serviços aos produtos, como a ótica que permite experimentar os óculos pela internet, a partir da foto do seu rosto e dos modelos disponíveis na loja. Ela ainda envia os óculos escolhidos para o cliente, que tem a opção de comprá-los ou devolvê-los, sem ônus adicional”, comenta Paulo Marcelo.

 

“Já existem também os restaurantes que dão descontos especiais para as famílias que deixam os celulares guardados na recepção. Assim, elas são incentivadas a apreciar a comida e consumir mais, além de promover o estabelecimento de uma maneira diferente”, complementa.

 

Não deixe de investir em comunicação

Uma das providências mais comuns quando a situação financeira aperta é eliminar os gastos com marketing e comunicação, ou seja, param de pensar em qualquer tipo de ação para atrair seu público-alvo. O mais correto a se fazer, porém, é analisar a fundo os resultados obtidos e traçar novas estratégias que se adaptem à realidade do mercado e às condições financeiras da empresa, em vez de simplesmente passar a ignorar esta área. “Se, por exemplo, no Natal você gastava bastante para divulgar a loja, agora terá de ser mais seletivo quanto a propaganda prioritária. Mas, de qualquer forma, precisa atrair a atenção deste consumidor para a sua loja, porque ele também estará mais seletivo”, explica Marcela.  

 

É o momento de abrir meu próprio negócio?

A enxurrada de demissões provocada pela crise tem obrigado muitos dos recém-demitidos a buscar no empreendedorismo uma solução rápida para recuperar a saúde financeira e, se possível, manter intacto o seu nível econômico-social. Mas o que fazer para este cenário de recessão econômica não engolir as pretensões desses empreendedores em potencial?

 

Avalie suas opções

As ideias não param de surgir na sua cabeça, mas antes de investir tempo e, muitas vezes, dinheiro, é preciso analisar se essa opção é viável, se vai dar dinheiro nessa época de crise e, mais do que isso, se você vai saber transformar um sonho em realidade. Para isso, é importante refletir e se fazer algumas perguntas básicas como: as pessoas vão gastar dinheiro comprando o que eu tenho a oferecer? Eu estou inovando ou muita gente já faz o que eu quero fazer? Qual meu diferencial?

 

Analise o cenário do segmento

Agora, antes de investir no seu negócio, é fundamental fazer uma pesquisa detalhada do segmento em que ele está inserido e das oportunidades que pode gerar. “Se vai montar um salão de cabeleireiro, é importante verificar como é essa atividade no seu entorno e de que maneira a concorrência tem se comportado, até mesmo para você oferecer um serviço que supra as necessidades até então não cobertas completamente pelos salões da região”, exemplifica Paulo Marcelo.

 

“Além disso, é preciso se atentar para que tipos de ameaças este setor vem sofrendo. Se ele está muito atrelado ao dólar, por exemplo, ou se depende de mão de obra intensiva, entre outros fatores que podem ser decisivos para o seu sucesso”, completa o consultor do Sebrae-SP.

 

Certifique-se de ter o capital necessário

Um erro comum dos empresários de primeira viagem é não reunir o capital necessário para manter o negócio por um determinado período, o que muitas vezes os obriga a pegar empréstimos com juros altos e, não raramente, a inviabilizar por completo as suas chances no mercado. “Acontece muito do empresário acreditar que o negócio vai se pagar num período curto e acaba sendo pego desprevenido pelas adversidades do mercado”, afirma Paulo Marcelo.

 

Entenda do negócio

“Não é porque você sabe cozinhar, que deve abrir um restaurante. Ou porque conhece de moda e por isso dará certo se abrir uma loja. O problema de muitos dos empreendedores que não vão para a frente é o fato de conhecerem a atividade fim, mas não a gestão do negócio em si. Neste ponto, a capacitação é essencial, sobretudo neste momento de crise financeira”, destaca Marcela Ponce Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil.  

 

Conheça o seu perfil

“É preciso se preparar pessoalmente, porque o perfil do empreendedor é diferente do funcionário. O bom empreendedor, por exemplo, deve ter postura proativa em busca de informações e saber se comportar diante da diversidade. Quem deseja empreender pela primeira vez também precisa saber se está preparado para correr riscos calculados, se sabe estabelecer metas e colocá-las em prática e, principalmente, ter o suporte da família para poder assumir este novo desafio. Mas, mesmo se não tiver todas essas características, não deve desanimar, pois elas podem ser desenvolvidas, inclusive por meio de cursos preparados pelo Sebrae-SP”, salienta o consultor Paulo Marcelo.

 

Saiba mais

Tire suas dúvidas sobre a alta do dólar

Como ganhar dinheiro com vendas online

Como ganhar dinheiro na internet

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

spc-mbf-dicas-viajar-barato-sem-gastar
8 passos para viajar barato
Viajar é sempre uma delícia. Com as contas em dia e sem se endividar, então, é melhor ainda. Por isso, fiq  [...]
mbf_banner_noticias_06
Série Construindo Sonhos – Capítulo 1
O jeito fácil de economizar para realizar seus desejos Sim, você pode subir ao altar ou ter um filho sem com  [...]
mbf-o-que-fazer-para-nao-comprar-por-impulso
O que fazer para evitar comprar por impulso
    Facilidades como o parcelamento de compras e o cartão de crédito podem estimular a compra dese  [...]