73317331

21 abril 2016
imagem-fraudes-idosos
A maioria dos brasileiros já sabe que precisa estar sempre de olhos abertos, mas os estelionatários encontraram um novo nicho para seus golpes: as pessoas mais velhas. Saiba mais

Você sabe reconhecer uma fraude? Pois muita gente também tem dificuldades nessa tarefa. Entre essas pessoas, estão os idosos. “Atualmente os estelionatários estão investindo suas forças contra aposentados, pensionistas e idosos. Os golpes sempre apresentam novas maneiras de serem executados e a principal arma dos malandros é a ingenuidade de muitas vítimas, que insistem em acreditar em pessoas estranhas, que conhecem nas ruas ou até mesmo através de ligações telefônicas”, explica Jorge Lordello, especialista em segurança pública e privada. Com isso, diversas modalidades criminosas foram criadas e ganham novas roupagens com muita velocidade. “Com a modernização, os golpes aparecem via celular, telefone, internet e até pessoalmente. Os idosos, que viveram em uma época mais tranquila e mais ética, acabam sendo presas fáceis”, completa o especialista.

 

Por isso, atenção famílias que já passaram por algum tipo de fraude, idosos que movimentam suas contas e  todo mundo que tem uma pessoa mais velha na família: vale ficar de olho nas fraudes atuais que tem como foco as pessoas de mais idade.

 

Como as fraudes funcionam

A verdade é que fraudes dão muito lucro. “Como crimes de estelionato não são altamente divulgadas pela mídia e dificilmente são registrados os criminosos encontraram uma maneira fácil e pouco perigosa de lucrar, arrecadando grandes volumes de dinheiro”, explica Jorge. Junto a isso, temos um problema sério de segurança das empresas público e privadas: atualmente, é relativamente fácil ter acesso a dados completos das pessoas como nome completo, CPF, idade, banco onde tem conta, entre outros. “Com isso, os criminosos estudam muito bem a ficha de suas vítimas e deixam o golpe muito mais real, afinal, usam dados da própria pessoa”, completa.

 

Os golpes mais comuns

É muito difícil listar todos golpes porque eles mudam a cada dia. Atualmente, existem algumas modalidades que estão sendo muito usadas pelos criminosos. “Mas vale lembrar que em pouco tempo elas podem mudar. O importante é ficar atento aos sinais”, alerta Jorge. Então, veja como eles podem ser criativos:

 

1) Golpe do empréstimo: os golpistas sabem que é fácil conseguir um empréstimo no nome de uma pessoa aposentada, desde que tenha os dados dela, é claro. Então, os golpistas telefonam ou vão até a residência do aposentado, alegam que o INSS está presenteando todos os segurados com, por exemplo, um filtro de água, solicitam a documentação original da vítima e ainda pedem para que assine o recibo da instalação do aparelho, que na verdade são documentos autorizando o empréstimo consignado.

 

2) Golpe do pecúlio:o estelionatário telefona ao idoso dizendo ser advogado e explica que ele tem direito a receber um pecúlio atrasado, ou seja, uma herança. A vítima fica interessada em receber a bolada, mas acaba dando dinheiro ao estelionatário, para suposto pagamento de custos do advogado.

 

3) Golpe do Loas:pessoa uniformizada, dizendo-se funcionário do INSS, convence a dona de casa que ela tem direito ao benefício da lei orgânica de assistência social (Loas). “Esses golpistas abordam senhoras em qualquer lugar. Até no cabeleireiro”, conta Jorge.

 

4) Golpe do bonzinho:o estelionatário percebe que um idoso está com dificuldade de sacar dinheiro do caixa automático e oferece ajuda. O cliente aceita e não percebe que durante o procedimento seu cartão magnético foi trocado e, além disso, sua senha foi exposta.

 

5) Golpe pelo telefone:Os criminosos entram em contato com as desculpa mais originais que vão, desde a necessidade de recadastramento bancário até clonagem do cartão.  A vítima recebe uma ligação do fraudador e é convencida a passar todos os dados da conta, incluindo senhas e código de segurança, que autoriza o fraudador a, por exemplo, fazer compras online livremente.

 

7) Golpe do sequestro: esse já é mais conhecido, mas ainda faz muitas vítimas por causa da gravidade da ameaça. O bandido liga para vítima e diz que um parente foi sequestrado pedindo, na sequência, um valor alto para resgate. “Os estelionatários, normalmente, já focam em casas onde eles sabem que têm idosos que, provavelmente, cairão com mais facilidade no golpe”, explica Jorge.

 

“Minha sogra, há 2 semanas, me ligou para dizer que estava deixando uma carta na portaria com seu cartão e todos os dados da conta, incluindo a senha. Eu, já percebendo o que tinha acontecido, corri para casa dela. Foi lá que ela me contou que um rapaz muito simpático da polícia tinha ligado para ela dizendo que seu cartão estava clonado, mas que as providências necessárias já estavam sendo tomadas e que bastava ela deixar o cartão com ele. Na portaria do prédio, o susto maior: me disseram que três idosos já haviam feito isso só naquela semana e que os porteiros já estavam avisados. Agora, imagine se ela não tivesse me ligado? Eles estariam com o cartão, senha e o aval, mesmo que sem querer, da dona para fazerem o que quisessem”, conta Solange.

 

Ganância e medo: o sucesso dos golpistas

Para um golpe dar certo é preciso mexer com o emocional da vítima. “Os estelionatários, dessa forma, ou colocam medo ou prometem lucro à vítima”, alerta Jorge. Dessa forma, é um pouco mais fácil reconhecer golpes, certo? Por exemplo: ameaça de sequestro com pedido de resgate, acidentes que você precisa mandar dinheiro para o hospital ou alerta de cartões clonados que te fazem mandar quantias em dinheiro em um curto período de tempo são golpes. Por outro lado, promoções muito fáceis, sorteios e brindes que surgem de repente também têm grandes chances de serem de mentira.

 

“Minha mãe recebeu uma ligação do Purificador Europa dizendo que ela tinha ganhado um novo purificador e que precisaria abrir sua casa para que a instalação e renovação fosse feita. Ela aceitou na hora. O estelionatário foi, mexeu no filtro, disse que havia feito a mudança e, dois dias depois, minha mãe percebeu que sua carteira e todos seus cartões tinham ido embora junto com o moço do filtro”. lembra Ernesto.

 

Como escapar desses golpes

Com vítimas são menos conectadas, as vezes fica difícil escapar desses golpes. No entanto, a solução é sempre aconselhar e alertar os idosos da família. Não deixem que eles façam grandes transações bancárias sem companhia, peçam para que eles não assinem nenhum contrato sem aconselhamento e não cansem de repetir: dados pessoais e bancários NUNCA devem ser passados pelo telefone. Além disso, lembre-se que todo golpe é muito sério porque mexem com o dinheiro, com a segurança e até com a auto estima dos idosos.  Abaixo, mais dicas práticas:

 

Pelo telefone

1 – Tenha identificador de chamada no telefone e celular. “Encare seu aparelho como se fosse a porta da sua casa que você não abre sem saber quem é”. A partir disso, não atenda ou, pelo menos redobre a atenção para:
• números sigilosos
• números com DDD diferentes
• números estranhos

 

2 – Se a pessoa do outro lado quiser saber dados seus, peça os dela. Pergunte nome completo, de que banco é, qual agência, fale que quer saber tudo sobre ela. “Pessoas de boa fé conhecem esses golpes e farão de tudo para que você, do outro lado, se sinta seguro”, explica Jorge. Se ainda tiver dúvidas, desligue e acione pessoas de sua confiança ou até mesmo a empresa de onde a ligação supostamente veio.

 

3 – Nunca passe a senha do cartão, nem digite essa informação no teclado do aparelho. Além dela, o código de segurança do seu cartão de crédito é só seu. Se pedirem esses dados, não dê, simples assim. “Profissionais podem até pedir para você confirmar algum dado pessoal, mas nunca te pedirão sua senha”, explica Jorge.

 

4 – Se empresas te ligarem oferecendo prêmios, pedindo seu endereço, desconfie e repita todo o processo citado acima.

 

Pessoalmente

1 – Nunca passe nenhum tipo de informação para estranhos,mesmo informações pessoais. Nós sabemos que a vontade de papear e jogar conversa fora é grande, mas nada de contar novidades da família, dizer que seu filho comprou um carrão ou que seu marido quer se aposentar.

 

2 – A regra ainda mais séria com endereço, dados pessoais e sua assinatura. Você nunca deve passar isso para ninguém, mesmo se essa pessoa estiver uniformizada ou carregando algum documento registrado pela empresa. Lembre-se que é muito fácil falsificar um logo ou uma marca. “Aqui vale a regra de nunca, mas nunca mesmo, assinar documentos fora do banco ou da empresa citada no papel”. finaliza Jorge.

 

3 – Além disso, mesmo seguindo essa regra básica, é preciso confirmar na empresa quando for fazer uma contratação ou assinar algum acordo. Para ajudar nesse processo o SPC Brasil tem o Consulte CNPJ que permite que a pessoa verifique o status da empresa a ser contratada.

 

Pela internet

A regra é clara: na dúvida não clique. Não clique em boletos, promoções, arquivos e nunca acredite em solicitações que venham do seu e-mail. Além disso:

 

1- Se você não se inscreveu em promoção nenhuma, com certeza você não ganhou nada através da internet.

 

2 – Não acesse seu banco através de um computador público.

 

Blinde-se através do seu CPF

Ainda com medo de receber ligações duvidosas e cair na lábia de um golpista? Então cadastre-se no SPC Avisa –  Serviço de monitoramento de CPF ou CNPJ disponibilizado pelo SPC Brasil. Com ele, você facilita sua vida ao blindar seu CPF. Como? É fácil. Você vai receber um aviso quando houver alterações no banco de dados do SPC Brasil ou Serasa, prevenindo fraudes. Assim, se seu CPF for clonado, por exemplo, você ficará sabendo. Se seu nome for negativado ou toda vez que houver alguma alteração, você saberá.

 

>Quer saber como contratar um plano, acesse:  https://spcnet.com.br/produtos-spc/evite-fraudes-em-seu-documento.html>

 

Saiba mais

12 dicas para você não ser vítima de fraude

Dicas para evitar fraudes no Carnaval

Como evitar golpes pela internet

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

vida-desregrada-mbf
Os riscos de uma vida financeira desregrada
A regra é simples: organizar as contas para ter uma vida mais saudável. Mas o que acontece se não fizermos   [...]
01
7 atitudes para não sofrer (tanto) com a crise
Veja dicas de ações práticas para sobreviver à crise econômica do país sem sofrer tanto com a tuburlênc  [...]
spc-mbf-financas-familia-organizar
Como organizar as finanças na família
Conversar sobre dinheiro, em casa, é mais importante do que parece. Veja como se educar financeiramente junto  [...]