42364236

24 julho 2014

mbf_banner_noticias_04-bbyww

Descubra a melhor maneira de aplicar seu dinheiro e alcance todos seus objetivos

Você tem um sonho e não vê a hora de realizá-lo. O problema é que desejos variam de preço e, consequentemente, os esforços necessários para atingi-los também variam. Existem investimentos ideais para planos de curto prazo (como comprar uma TV), outros para planos de médio prazo (como uma viagem) e ainda aqueles para atingir sonhos de longo prazo (como adquirir sua casa própria).

 

Mas, antes de escolher o melhor investimento para poder alcançar seu sonho, você precisa entender como isso mudará a sua rotina. Se antes costumava receber seu salário, gastar o dinheiro e guardar o que sobrava – isso quando sobrava algo -, agora, você vai inverter esta sequencia; receberá seu salário e deduzirá – como se fosse uma despesa – o que será aplicado para a realização de seus sonhos “Ocorrerá uma mudança de hábito, pois a pessoa precisará adaptar sua realidade ao dinheiro que costuma ganhar”, anuncia Marcelo Rea, sócio-diretor da ForLife Consultoria de investimentos.  Ainda: uma boa saída é investir já no dia em que recebe o salário, para não cair em tentação.

 

Passo a passo para alcançar seu sonho

1: Defina qual sua meta.

2: Pesquise quanto custa seu objetivo.

3: Com o valor em mente, durante 30 dias, anote seus gastos, separando por categorias: alimentação, transporte, vestuário, educação.

4: Ao final do mês, some todos eles e identifique de forma clara para onde vai o que você ganha.

5: A partir daí, descubra onde pode economizar, cortando gastos desnecessários.

6: Direcione essa verba para a aplicação mais adequada para você.

7: Aproveite esta experiência para iniciar ou melhorar seus hábitos financeiros. Faça dessa prática uma rotina.

 

Descubra qual a melhor maneira de aplicar seu dinheiro e realizar seu sonho

mbf_banner_noticias_06_10

 

1. Plano de curto prazo (até 1 ano)

Exemplo: comprar uma TV, celular, computador

 

Dicas para escolher a melhor aplicação de curto prazo:

• Evite aplicações onde são cobradas taxas de administração (fundos) e outras que vão pagar juros proporcionais a quantia aplicada (CDB) além das arriscadas que são aquelas que prometem retornos mais altos e que muitas vezes não permitem resgate imediato.

• Investimentos em renda variável, como ações, são desaconselháveis, pois oscilam muito e necessitam de tempo e muito conhecimento para uma boa análise. Quando você for realizar seu sonho elas podem estar em baixa, ou seja, valendo menos do que você gastou para compra-las.

 

Onde investir: Num caso onde o valor não é muito elevado, a poupança é a melhor solução, pois o dinheiro poderá ser resgatado a qualquer momento. “O rendimento dela pode não parecer alto, mas como você não pagará imposto pelos juros recebidos, a rentabilidade dessa aplicação no curto prazo é muito interessante se comparadas a outras opções.

 

O que não fazer: comprar a prazo! Você pagará o equivalente a mais de um aparelho e terá que trabalhar mais para tê-lo.  Só isso já justifica o sacrifício de poupar antes de comprar, o que vai ajuda-lo a se tornar um consumidor mais consciente.

 

“Exibo minha televisão gigante para todo mundo”

Há quatro anos, a atendente de telemarketing Solange Pires reformou a sala de sua casa. Por mais que estivesse feliz com as mudanças promovidas, sentia que a antiga televisão não combinava com a nova decoração. “Eu olhava para a TV antiga e quase chorava. Além de ser velha, era pequena!”, desabafa ela, que continua: “Mas meu marido investiu todo o dinheiro que tinha na reforma e não podia nem me ouvir falar em comprar mais nada”. Solange não se conteve. Ela foi a nove lojas pesquisar preços e percebeu que não era uma boa comprar em diversas vezes, pois conseguiria desconto se pagasse à vista. “O jeito foi cortar daqui e dali para juntar dinheiro. E, por conselho de uma cunhada, abri uma poupança exclusivamente para guardar o dinheiro da TV. Fui ao banco em que tinha conta e o gerente me ajudou. Calculei quanto precisaria guardar em um ano para chegar ao meu objetivo. Quando recebia meu pagamento, tirava o dinheiro das contas e via quanto sobrou. Dessa sobra, depositava na poupança a quantia da TV. Aí, me virava com o que sobrava”, diz orgulhosa. Após 12 meses, o resultado: Solange deu à sua nova sala  – e para si mesma – a TV que sempre sonhou. Hoje, quem entra em seu lar, avista de longe o aparelho de 45 polegadas. “Mesmo um ano depois de comprá-la, exibo minha televisão para todo mundo”, diz orgulhosa.

 

2. Plano de médio prazo (de 1 a 5 anos)

Exemplo: fazer uma reforma, uma viagem ou comprar um carro.

 

Dicas para escolher a melhor aplicação a médio prazo:

• Estabeleça uma meta anual de valores a serem poupados e seus de ganhos.

• Pesquise os produtos oferecidos pelos bancos para saber se, no seu caso, vale a pena fazer uma mix de investimentos composto de produtos de maior risco, como ações e com outros de menor risco, como poupança. Normalmente, distribuir o dinheiro pode gerar mais segurança, pois se você perde de um lado, pode ganhar de outro, mas atenção com esta distribuição, pois o valor investido em produtos de risco sempre deve ser menor.

• Procure saber sobre as regras de tributação, rentabilidade e histórico de rendimento das opções escolhidas para o seu plano, mas não se impressione com rendimentos passados, pois eles não são garantia de bons rendimentos no futuro.

• Se você quiser atingir seu objetivo mais rápido, vai precisar se informar. Não vale a pena investir confiando unicamente na informação do gerente do banco.

 

Onde investir: Uma parte do dinheiro deve sempre ser aplicado em opções seguras, como no Tesouro Direto, ou em títulos  como o CDB.  Outra opção que pode ser interessante são as  Letras de Crédito Imobiliário  e as LCAs Letras de Crédito Agrícola

 

Se você quiser aplicar seu dinheiro por um período maior que 5 anos,  pode considerar a aplicação de parte de seus recursos em opções mais arriscadas, como ações.

 

Carro à vista em quatro anos

Para o fisioterapeuta Luiz Mariano, dividir uma compra em prestações a perder de vista é um pesadelo que nunca combinou com seu sonho de comprar um carro logo após sua formatura. “Para mim, dívida é dor de cabeça: parcelar uma compra tão alta podia me impedir de realizar outros planos, pois estaria sempre preocupado em quitar esse compromisso”, conta. O então estudante foi conversar com o pai, acostumado com investimentos, para saber se existia a possibilidade de  guardar uma quantia por mês em outro lugar que não fosse a poupança. “Já tinha lido em uma revista que alguns investimentos rendem mais. Meu pai já comprava títulos públicos e me aconselhou a fazer mesmo. Em princípio, eu achava impossível, pois a quantia que eu conseguia juntar era pouca”, revela. No entanto, o jovem foi conversar com o gerente do banco e descobriu que investir em Tesouro Direto era seguro e que não precisava de muito dinheiro para isso. “Comprei meu primeiro título e fiquei tranquilo ao saber que o risco é praticamente inexistente. Agora, sempre que sobra dinheiro, vou lá e compro mais títulos. De acordo com os meus cálculos, com o dinheiro que investi e o rendimento que terei, conseguirei comprar meu carro à vista em quatro anos”, conclui.

 

3. Plano de longo prazo (no mínimo 5 anos)

Exemplo:compra de um imóvel, faculdade do filho, recursos para a aposentadoria

 

Dicas para escolher a melhor aplicação a longo prazo e juntar dinheiro necessário para dar entrada no seu imóvel:

– É muito importante estudar, a entrada, as parcelas intermediárias, o fluxo de pagamentos e o valor das parcelas depois do recebimento do imóvel.

– Devem ser evitadas aplicações de risco, pois a evolução da sua dívida é previsível, assim como a reserva nas aplicações que está sendo formada para dar segurança para sua quitação.

– Opção mais conservadora e segura é aplicar a reserva financeira em produtos com o mesmo indexador da dívida contraída, afinal o objetivo é pagar as prestações sem susto e não tentar obter ganhos extraordinários.

– O imóvel escolhido deve ser compatível com a sua renda, considerando-se a formação de uma reserva financeira, mesmo depois de contraída a dívida. Esta reserva pode ajudar num momento de aperto e na quitação antecipada do imóvel objetivo que deve ser sempre perseguido.

 

Onde investir: o Tesouro Direto pode ser uma boa opção uma vez que além de segurança e boa rentabilidade é possível comprar títulos cujo vencimento coincida com as prestações futuras.

 

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

consumismo-infantil-mbf
Aprenda a lidar com o consumismo infantil
Para ensinar os filhos a controlar seus desejos de consumo é preciso cuidar e monitorar as próprias atitudes  [...]
casa-propria-mbf
6 dicas para conquistar a casa própria!
Os preços dos imóveis estão mais baixos, mas será que com o que ganho é possível realizar o sonho de com  [...]
mbf_banners_portal_223x86_19
Dicas para evitar problemas com o dinheiro em casa
17% dos casais têm brigas freqüentes quando o assunto é dinheiro Muitos casamentos podem acabar em briga, q  [...]