57845784

22 abril 2015
spc-mbf-dividas-inadimplencia-se-livrar
Para brasileiros, falta de planejamento no orçamento pessoal é o maior causador de dívidas, que ficam cerca de 70 por cento mais caras do que o valor inicial

Uma vez inadimplente, é difícil recuperar o seu crédito. Para ser mais exato, no caso do consumidor brasileiro, demora-se cerca de dois anos para deixar de ter o nome sujo. Além de demorar para conseguir limpar o seu nome, segundo pesquisa do SPC Brasil e do Portal Meu Bolso Feliz, o consumidor brasileiro inadimplente normalmente tem suas dívidas distribuídas em quase quatro empresas diferentes. A maioria, adquirida por meio do cartão de crédito e de lojas, formando um débito total junto às empresas credoras que ultrapassa R$21 mil!
 
Ainda segundo a pesquisa, as dívidas dos brasileiros (adimplentes e inadimplentes), embutidas as multas e as taxas cobradas pelo atraso, chegam a um valor final até 70 por cento maior do que o inicial. Com todos esses dados, é seguro dizer que acumular dívidas é um mau negócio, não?
 
Mesmo difícil, porém, não é impossível sair dessa enrascada. Avaliando este cenário, é importante entender quais os motivos que te levaram a entrar na dívida e, mais do que isso, procurar a melhor maneira de quitá-la. Ao final, você tem como encontrar tranquilidade financeira. Vamos lá?
 

Por que você entrou nessa enrascada

Quase metade dos consumidores entre inadimplentes e ex-inadimplentes ouvidos na pesquisa afirmam que a falta de planejamento no orçamento pessoalé a principal razão para não pagar as contas. Se esse for o seu caso, é hora de começar a se organizar! Veja aqui como se planejar financeiramente para todo o ano.
 

O passo a passo para acabar com a dívida

Segundo a pesquisa, quando você resolve quitar sua dívida, enfrenta um problema grave: encontrar a melhor maneira de eliminar a pendência que, provavelmente, já está muito maior do que você imaginava. Neste cenário, a bola de neve já aumentou e suas despesas, somadas às dívidas, podem, até, estar maiores que os ganhos. Esta é a hora de renegociar o que deve e, talvez, buscar um empréstimo para pagar suas contas. Veja o passo a passo completo:
 

Passo 1 – Identifique o tamanho da sua dívida

Calcule exatamente o quanto deve. Se não souber ao certo, procure os credores para descobrir. Lembre-se que o valor deve considerar o montante emprestado mais os juros embutidos. Se necessário, peça ajuda para fazer esse cálculo. Faça isso com todas as suas dívidas.
 

Passo 2 – Veja quanto pode pagar por mês

Use o Diagnóstico Financeiro, inclua suas despesas fixas, o empréstimo e os juros a serem pagos. Dessa forma, você planeja o pagamento de todas as suas contas e descobre o valor e o número de parcelas que pode pagar, já tendo uma proposta fechada para negociação. Se tiver uma poupança, esta é a hora de utilizar o dinheiro guardado para ajudá-lo a sair das dívidas! Quando sair do vermelho, aí recomece a poupar.
 

Passo 3: Como negociar com os credores

Segundo a pesquisa, na hora de pagar as dívidas, 41 por cento dos entrevistados alegam que a maior dificuldade enfrentada é o valor proposto na negociação, considerado acima de suas possibilidades. 21 por cento alegam que o valor da dívida está muito acima de seus ganhos e 19 por cento citam a dificuldade em negociar prazos de pagamento. Há ainda os que desejam negociar, mas não sabem como o fazer (19 por cento). A negociação com o credor é umas das mais importantes atitudes para resolver a sua situação! Veja a melhor forma de fazer isso:
 
•  Saber exatamente o quanto possui para negociar é fundamental ao discutir a sua dívida com o credor. Antes de chegar para a conversa, certifique-se de ter coberto todas as possibilidades. Há alguma economia extra ou algum “bico” que possa fazer para ajudar? E algum bem como carro ou eletrodoméstico que possa ser vendido para que o dinheiro extra seja usado no pagamento das dívidas? É preciso saber de fato o quanto você pode oferecer;
 
•  Procure o seu credor. Se você não souber quem é o profissional da empresa credora que você deve procurar, entre em contato com a central de relacionamento e eles certamente lhe encaminharão à pessoa certa. Junto ao credor, busque entender como e quando seu nome ficará sujo e quais as alternativas existentes para seu caso;
 
•  Se você tem mais de uma dívida, a solução é conversar com todos os credores e entender qual a sua situação em cada uma das empresas para as quais deve. É preciso saber o quanto de juros é cobrado por mês de atraso e quais os prazos propostos por cada empresa. Qual dívida pagar primeiro? “Em primeiro lugar, procure pagar a que possui a maior taxa de juros. Depois, priorize a dívida mais alta”, explica Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil. Não se preocupe em deixar uma dívida de lado enquanto paga outra. Tratando-se de dívidas, vale a premissa de se resolver “um problema de cada vez”. Com tempo, paciência, organização e disciplina, você quitará todas as suas dívidas!
 

Passo 4 – Avalie as propostas que pode fazer à empresa credora ou ao banco
Proposta 1: redução do valor da dívida

Sabendo o valor exato que pode oferecer e com quem falar, inicie a negociação. Neste momento é importante ser sincero, deixando clara a sua real situação financeira e o quanto de fato pode pagar. Lembre-se que o credor tem tanto interesse em receber a dívida quanto você tem em quitá-la. Assim, com uma conversa franca, pode ser mais fácil chegar num valor e em um número de parcelas que seja bons para ambos.
 

Proposta 2: mudança no tipo de financiamento

Quando não houver dinheiro para a quitação da dívida, mesmo após a proposta de negociação, junto ao banco, proponha uma mudança no tipo de financiamento que você está usando.
 
Neste último caso, você pode obter um empréstimo mais barato, como, por exemplo, o crédito consignado (média de 2 por cento de juros ao mês), para saldar a dívida existente em situações de juros elevados. Você continuará endividado, mas a dívida com juros menores crescerá de forma mais amena. Para te ajudar no processo de escolha, use o Simulador Troca de Dívida.
 

Passo 5 – Fuja das armadilhas

Lembre-se que quem empresta dinheiro também cobra juros. Por isso, evite os financiamentos com as maiores taxas, como utilizar cartão de crédito e o cheque especial. Para ajudá-lo a quitar as dívidas, procure os empréstimos com os menores juros, como empréstimo pessoal e empréstimo consignado!
 
Outro ponto importante é não cair na tentação de buscar empresas que prometem limpar seu nome sem quitar a dívida. Essas ofertas, normalmente, oferecem serviços desnecessários e, muitas vezes, que acabam não funcionando.
 

Passo 6 – Tenha foco

Durante esse processo de quitação de dívida, você precisa praticar o autocontrole, cortar gastos supérfluos e deixar de adquirir novas dívidas, sempre evitando o uso do cartão de crédito. Para isso, prepare uma lista com tudo que costuma fazer e avalie sua rotina. Comer fora menos vezes por semana, evitar comprar roupas e falar menos ao telefone, reduzindo a conta, são boas opções para economizar.

 

Saiba mais:
O passo a passo para limpar seu nome

 

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

016
Importância de se investir na educação dos filhos
Não podemos dar valor só naquilo que podemos ver e tocar, nas coisas que nos deem um prazer imediato. Se pen  [...]
autonomoFotoNoticia
7 dicas para um profissional autônomo aumentar a renda
Veja como aumentar sua renda em qualquer época!   [...]
mbf_banner_noticias_mochileiro
SPC Brasil dá dicas para evitar fraudes no carnaval
Descuidos  durante  o  feriado  de  Carnaval  aumentam   o  risco  de golpes  como a clonagem de ca  [...]