57845784

22 abril 2015
spc-mbf-dividas-inadimplencia-se-livrar
Para brasileiros, falta de planejamento no orçamento pessoal é o maior causador de dívidas, que ficam cerca de 70 por cento mais caras do que o valor inicial

Uma vez inadimplente, é difícil recuperar o seu crédito. Para ser mais exato, no caso do consumidor brasileiro, demora-se cerca de dois anos para deixar de ter o nome sujo. Além de demorar para conseguir limpar o seu nome, segundo pesquisa do SPC Brasil e do Portal Meu Bolso Feliz, o consumidor brasileiro inadimplente normalmente tem suas dívidas distribuídas em quase quatro empresas diferentes. A maioria, adquirida por meio do cartão de crédito e de lojas, formando um débito total junto às empresas credoras que ultrapassa R$21 mil!
 
Ainda segundo a pesquisa, as dívidas dos brasileiros (adimplentes e inadimplentes), embutidas as multas e as taxas cobradas pelo atraso, chegam a um valor final até 70 por cento maior do que o inicial. Com todos esses dados, é seguro dizer que acumular dívidas é um mau negócio, não?
 
Mesmo difícil, porém, não é impossível sair dessa enrascada. Avaliando este cenário, é importante entender quais os motivos que te levaram a entrar na dívida e, mais do que isso, procurar a melhor maneira de quitá-la. Ao final, você tem como encontrar tranquilidade financeira. Vamos lá?
 

Por que você entrou nessa enrascada

Quase metade dos consumidores entre inadimplentes e ex-inadimplentes ouvidos na pesquisa afirmam que a falta de planejamento no orçamento pessoalé a principal razão para não pagar as contas. Se esse for o seu caso, é hora de começar a se organizar! Veja aqui como se planejar financeiramente para todo o ano.
 

O passo a passo para acabar com a dívida

Segundo a pesquisa, quando você resolve quitar sua dívida, enfrenta um problema grave: encontrar a melhor maneira de eliminar a pendência que, provavelmente, já está muito maior do que você imaginava. Neste cenário, a bola de neve já aumentou e suas despesas, somadas às dívidas, podem, até, estar maiores que os ganhos. Esta é a hora de renegociar o que deve e, talvez, buscar um empréstimo para pagar suas contas. Veja o passo a passo completo:
 

Passo 1 – Identifique o tamanho da sua dívida

Calcule exatamente o quanto deve. Se não souber ao certo, procure os credores para descobrir. Lembre-se que o valor deve considerar o montante emprestado mais os juros embutidos. Se necessário, peça ajuda para fazer esse cálculo. Faça isso com todas as suas dívidas.
 

Passo 2 – Veja quanto pode pagar por mês

Use o Diagnóstico Financeiro, inclua suas despesas fixas, o empréstimo e os juros a serem pagos. Dessa forma, você planeja o pagamento de todas as suas contas e descobre o valor e o número de parcelas que pode pagar, já tendo uma proposta fechada para negociação. Se tiver uma poupança, esta é a hora de utilizar o dinheiro guardado para ajudá-lo a sair das dívidas! Quando sair do vermelho, aí recomece a poupar.
 

Passo 3: Como negociar com os credores

Segundo a pesquisa, na hora de pagar as dívidas, 41 por cento dos entrevistados alegam que a maior dificuldade enfrentada é o valor proposto na negociação, considerado acima de suas possibilidades. 21 por cento alegam que o valor da dívida está muito acima de seus ganhos e 19 por cento citam a dificuldade em negociar prazos de pagamento. Há ainda os que desejam negociar, mas não sabem como o fazer (19 por cento). A negociação com o credor é umas das mais importantes atitudes para resolver a sua situação! Veja a melhor forma de fazer isso:
 
•  Saber exatamente o quanto possui para negociar é fundamental ao discutir a sua dívida com o credor. Antes de chegar para a conversa, certifique-se de ter coberto todas as possibilidades. Há alguma economia extra ou algum “bico” que possa fazer para ajudar? E algum bem como carro ou eletrodoméstico que possa ser vendido para que o dinheiro extra seja usado no pagamento das dívidas? É preciso saber de fato o quanto você pode oferecer;
 
•  Procure o seu credor. Se você não souber quem é o profissional da empresa credora que você deve procurar, entre em contato com a central de relacionamento e eles certamente lhe encaminharão à pessoa certa. Junto ao credor, busque entender como e quando seu nome ficará sujo e quais as alternativas existentes para seu caso;
 
•  Se você tem mais de uma dívida, a solução é conversar com todos os credores e entender qual a sua situação em cada uma das empresas para as quais deve. É preciso saber o quanto de juros é cobrado por mês de atraso e quais os prazos propostos por cada empresa. Qual dívida pagar primeiro? “Em primeiro lugar, procure pagar a que possui a maior taxa de juros. Depois, priorize a dívida mais alta”, explica Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil. Não se preocupe em deixar uma dívida de lado enquanto paga outra. Tratando-se de dívidas, vale a premissa de se resolver “um problema de cada vez”. Com tempo, paciência, organização e disciplina, você quitará todas as suas dívidas!
 

Passo 4 – Avalie as propostas que pode fazer à empresa credora ou ao banco
Proposta 1: redução do valor da dívida

Sabendo o valor exato que pode oferecer e com quem falar, inicie a negociação. Neste momento é importante ser sincero, deixando clara a sua real situação financeira e o quanto de fato pode pagar. Lembre-se que o credor tem tanto interesse em receber a dívida quanto você tem em quitá-la. Assim, com uma conversa franca, pode ser mais fácil chegar num valor e em um número de parcelas que seja bons para ambos.
 

Proposta 2: mudança no tipo de financiamento

Quando não houver dinheiro para a quitação da dívida, mesmo após a proposta de negociação, junto ao banco, proponha uma mudança no tipo de financiamento que você está usando.
 
Neste último caso, você pode obter um empréstimo mais barato, como, por exemplo, o crédito consignado (média de 2 por cento de juros ao mês), para saldar a dívida existente em situações de juros elevados. Você continuará endividado, mas a dívida com juros menores crescerá de forma mais amena. Para te ajudar no processo de escolha, use o Simulador Troca de Dívida.
 

Passo 5 – Fuja das armadilhas

Lembre-se que quem empresta dinheiro também cobra juros. Por isso, evite os financiamentos com as maiores taxas, como utilizar cartão de crédito e o cheque especial. Para ajudá-lo a quitar as dívidas, procure os empréstimos com os menores juros, como empréstimo pessoal e empréstimo consignado!
 
Outro ponto importante é não cair na tentação de buscar empresas que prometem limpar seu nome sem quitar a dívida. Essas ofertas, normalmente, oferecem serviços desnecessários e, muitas vezes, que acabam não funcionando.
 

Passo 6 – Tenha foco

Durante esse processo de quitação de dívida, você precisa praticar o autocontrole, cortar gastos supérfluos e deixar de adquirir novas dívidas, sempre evitando o uso do cartão de crédito. Para isso, prepare uma lista com tudo que costuma fazer e avalie sua rotina. Comer fora menos vezes por semana, evitar comprar roupas e falar menos ao telefone, reduzindo a conta, são boas opções para economizar.

 

Saiba mais:
O passo a passo para limpar seu nome

 

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

spc-mbf-dividas-inadimplencia-se-livrar
Como quitar suas dívidas e fugir da inadimplência
Para brasileiros, falta de planejamento no orçamento pessoal é o maior causador de dívidas, que ficam cerca  [...]
spc-mbf-dia-das-maes-presente-mensagem-especial
9 formas de curtir as férias dos filhos gastando pouco
Como garantir o entretenimento de crianças e adolescentes com programas divertidos, diferentes e, melhor, bar  [...]
tudo-sobre-credito-consignado
Tudo que você precisa saber sobre Crédito Consignado
Entenda o que é e como funciona o Crédito Consignado e quando vale a pena contratar o empréstimo Inflação  [...]