63486348

18 agosto 2015
meu-bolso-feliz-foto-crianças-2
Aprenda a dizer não e seja criativo para manter  seus filhos satisfeitos, mesmo com a diminuição do poder de compra dentro de casa

A tarefa já é naturalmente árdua: explicar o valor do trabalho e do dinheiro aos filhos e ensiná-los a poupar. Agora, mais do que isso, é necessário enfrentar a crise econômica que o país se encontra e saber lidar com a alta da inflação, a necessidade de maior economia em casa e cortes no orçamento que afetam lazer e diversão de toda família, incluindo as crianças.

Com isso, vem os pedidos dos filhos  e as birras infantis quando o NÃO surge com mais frequência dentro de casa, mas não tem jeito, os cortes precisam ser feitos. Tarefa difícil? Nem tanto. Para começar a enfrentar o desafio é importante ter em mente que são nesses momentos que a família deve se unir e colaborar. “Para explicar a situação à criança, os pais e adultos devem falar de maneira clara, simples e objetiva sobre o que está acontecendo de fato”, explica Ester Chapiro, psicopedagoga e diretora da Central de Professores.

A partir disso, leia as dicas abaixo e saiba exatamente o que fazer para não sucumbir aos apelos infantis e, claro, a deixar a vida de todos mais leve e divertida, mesmo em momentos de crise. “ A melhor forma de lidar com as crianças é encontrar alternativas que tornem a vida gostosa. E pensar juntos nessas alternativas é sempre uma boa solução”, completa Ana Paula Magosso Cavaggioni, psicóloga da Clia psicologia e Educação.

Dê o exemplo e planeje-se

Não adianta querer que as crianças entendam que vão ficar sem algumas regalias, como brinquedos novos, se você mesmo não está economizando. Se for cortar despesas como jantares em restaurantes, roupas novas todo mês e suspendeu a compra daquela TV nova, conte isso a toda família e explique os motivos de cada decisão econômica. “As crianças precisam entender que algumas medidas precisarão ser tomadas para que se mantenha a vida em ordem e quais são elas”, explica Ester.

Junto a isso, encontre opções divertidas para sanar a falta dos antigos hábitos. Que tal se organizar e jantar com a família toda? Organizar jogos divertidos e, até, reservar um momento de conversa com os filhos, todo dia, podem ser boas alternativas.

Além disso, lembre-se que um bom planejamento é fundamental para ajudar a encontrar formas de reduzir custos e despesas extras. Para ajudar, você pode usar o Simulador Diagnóstico Financeiro.

Valorize as pequenas mudanças no dia a dia

Economizar também inclui diminuir as contas de luz, água, telefone e supermercado. Aqui, os filhos, mais do que nunca, podem ajudar. Mostre as contas a todos, peça para eles tomarem banhos rápidos, fecharem as torneiras enquanto escovam os dentes e  troquem o vídeo game por jogos tradicionais  Mas, sempre, é claro, explicando a importância de cada uma dessas pequenas atitudes. Uma boa alternativa é passar a fazer essas tarefas junto com os pequenos e deixar o dia a dia mais leve, com menos “Nãos” e “proibições”. Eles vão gostar de fazer parte das decisões.

Saiba lidar com a mesada deles

Não precisa cortar a mesada dos filhos da noite para o dia, a não ser que isso seja realmente necessário. “É importante que a criança ou adolescente que recebe mesada entenda a situação na qual ela está inserida e que se tiver seu pagamento reduzido ou mesmo suspenso por um tempo será para ajudar e participar do orçamento familiar neste momento delicado”, explica Ester. Uma boa solução é mostrar qual será o destino desse dinheiro que, antes, ia para a criança.

Além disso, mostre à criança que os recursos financeiros da família diminuíram e que, por isso, todos deverão passar a tomar decisões e remanejamentos financeiros. Ou seja, com menos dinheiro no bolso, os filhos também terão que controlar sua renda e fazer escolhas inteligentes. Ajude-os a fazer contas e priorizar o que vale a pena.

Corte presentes fora de hora

Saiba dizer não. Diga que não consegue mais compras tudo que comprava antes e explique todos os motivos para esses cortes. Crianças observam e sentem e, por isso, precisam entender porque estão sendo privadas de algo. E não esqueça que presentes não são apenas as coisas caras. Sorvete no shopping, guloseimas no supermercado e até passeios mais salgados entram na conta. Além disso, a hora é boa para dar valor ao que realmente é necessário. Por isso, aproveite momentos difíceis para ensinar seu filho a valorizar o que já tem, a doar e compartilhar. Que tal, junto com os filhos, organizar o armário e descobrir que tem muita roupa e brinquedo ainda em bom estado?

Seja criativo

Na teoria tudo ficou mais fácil, certo? Mas a criançada ainda está resistente com tantos cortes? Essa é a hora de ser criativo. “O tempo que você passa com as crianças tem que ter qualidade e não necessariamente dinheiro. Vale chamar os amigos dos pequenos, preparar a janta que eles adoram, organizar uma sessão de filmes com pipoca, entre outros”, aconselha Ana Paula.

É importante lembrar que essa é uma grande oportunidade para ensinar os pequenos a lidar com o dinheiro e dar valor para o que realmente importa, não só em tempos de crise. “São nesses momentos de dificuldade que podemos mudar a maneira de lidar com o dinheiro, construindo uma família unida e forte e dando segurança para que as crianças cresçam sabendo desde cedo a encontrar soluções para as várias situações que a vida irá trazer”, completa Ester.

Saiba mais:

Dinheiro: cinco lições que seus filhos devem saber

Como driblar a chantagem emocional dos filhos

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

mbf_banner_noticias_01-mfi3i
Acerte no presente do Dia das Crianças
Com dicas simples, você garante uma comemoração divertida, educativa e barata O dia 12 de outubro é a data  [...]
mbf_banners_portal_223x86_08
Dicas para chegar a uma aposentadoria tranquila
Caso já tenha chegado aos 60, veja como aumentar sua renda e não cair na inadimplência. O segundo detalhame  [...]
mbf_banner_noticias_01
Taxas de juros podem levar ao superendividamento
Com taxas acima de 414 por cento ao ano no rotativo do cartão de crédito, uma dívida de mil reais pode p  [...]