68616861

30 dezembro 2015

empresa-financa-mbf

Se você tem ou sonha em ter um negócio próprio, fique atento às dicas para manter as contas da sua empresa em dia

Atualmente muita gente quer abrir ou já abriu o negócio próprio, mas quando temos que administrar uma empresa é importante ter em mente que os desafios financeiros que aparecerão no dia a dia, muitas vezes, os mesmos que você enfrenta na sua vida pessoal, vão exigir ainda mais disciplina e responsabilidade de você. “Ter uma empresa não é tarefa fácil. Entre os afazeres mais comuns estão ter a contabilidade em dia, assumir responsabilidades fiscais e entender o fluxo de produção, de venda e de dinheiro. É importante ter em mente que o mais difícil quando se tem um negócio é mantê-lo”, explica José Vignoli, educador financeiro do Portal Meu Bolso Feliz.
 
Por isso, nunca esqueça de ter disciplina, foco nas finanças e conhecer muito bem seu negócio. E para te ajudar, o Portal Meu Bolso Feliz listou 9 dicas para você aprender garantir a saúde financeira da sua empresa.

 

1 – Entenda o que é fluxo de caixa

“Seu fluxo de caixa nada mais é do que ter um controle das entradas e saídas de dinheiro da empresa para poder prever tudo que vai acontecer sem levar sustos e poder se planejar e até mesmo deixar uma quantia disponível para eventuais imprevistos”, explica Vignoli. Em outras palavras, é uma ferramenta de gestão que te permite antecipar ações, seja de investimento ou de corte de despesas. Sem ter um fluxo de caixa a administração você corre um risco constante de, um belo dia, acordar sem dinheiro para pagar contas fixas. Para te ajudar, o Sebrae, por exemplo, disponibiliza algumas ferramentas e cartilhas de auxílio.

 

2 – A importância do capital de giro

Com a análise dos custos e um fluxo de caixa bem definido, é importante avaliar qual a quantia de capital de giro que é necessária para tocar o dia a dia da empresa. Este capital é uma quantia de dinheiro que, como o próprio nome diz, vai ficar sempre girando, ou seja, é parte do fluxo de entradas e saídas de recursos no caixa da empresa. Além disso, esse dinheiro pode ser usado na compra de estoque, por exemplo, mas é preciso tomar cuidado ai fazer investimentos cujo retorno virá ao longo do tempo. “Ao usar o capital de giro para um investimento, é preciso ter bem planejado o que será feito porque você poderá deixar de ter dinheiro para tocar o dia a dia da empresa correndo o risco”, explica Vignoli.
 

Saiba calcular seu capital de giro
Para descobrir de quanto deve ser seu capital de giro, é preciso levar em consideração todos os custos da empresa, ou seja, avaliar detalhadamente o fluxo de caixa .A partir disso, tenha em mente que empresas pequenas, principalmente aquelas com poucos clientes, devem dispor de capital de giro suficiente para enfrentar atrasos e cancelamento de contrato. “Pode não ser tarefa fácil, mas seria ideal ter na conta da empresa um valor que pague todas essas contas por um tempo razoável, imaginando sempre um problema de atraso ou até cancelamento de encomendas e serviços contratados. É o mesmo princípio daquela reserva financeira que devemos manter na vida pessoal”, explica Vignoli.
 

3 – Fique de olho nas suas obrigações fixas

A conta aqui é simples. Liste e coloque no fluxo de caixa todas aquelas obrigações das quais não podemos fugir, ou seja, as despesas que já sabemos, antecipadamente que teremos: salários, impostos, aluguel, contas de consumo como luz e água, entre outras.
 

4 – Não esqueça os custos de produção e venda do seu produto

Para avaliar os custos de produção e venda do produto é fundamental entender muito bem do seu negócio. Se você compra mercadorias para revenda ou fabrica seu produto é importante ter calculado e planejado exatamente o quanto você gasta, incluindo outros custos como armazenamento, mão de obra e deslocamento. Se você trabalha com serviços, calcule, também, o custo da sua hora trabalhada, que será a base do seu faturamento.
 

5 – Não confunda suas contas

“Nunca misture sua conta pessoal com sua conta jurídica”, aconselha  Rafael Carrenho, CEO da Beconomy, empresa especializada em gestão estratégica de custos, de São Paulo. Ou seja, agora que você tem que lidar com mais de uma conta, não caia na tentação de usar o faturamento da empresa para, por exemplo, comprar o tão sonhado carro novo ou usar um pouco do que economizou na conta pessoal para dar um “gás extra” nos negócios.
 

6 – Avalie custos que podem ser reduzidos

Com todos os custos listados, fique sempre atento àqueles que podem ser reduzidos.  Eliminar gastos desnecessários é sempre fundamental para a saúde financeira de uma empresa. “Fique sempre atento ao quanto você gasta com equipe, aluguel, telefonia, custos com tecnologia e internet”, alerta Rafael. Aqui, vale uma reflexão: será que algum gasto mensal pode ser reduzido? Para ajudar, use uma planilha e liste todos seus gastos por categoria, avaliando um por um.

 

7 – Saiba investir

Controlar os gastos não é sinônimo de não gastar e, se sua empresa estiver financeiramente saudável, talvez seja hora de investir e pensar no futuro. É claro que, dependendo da sua atividade, tudo que você comprar para sua empresa será um investimento, mas é necessário avaliar o retorno que estes gastos podem trazer. “Assim, ao comprar um novo equipamento, por exemplo, analise as consequências dessa compra”, diz Vignoli. Por exemplo: um prestador de serviços tem que pensar se móveis novos para a recepção podem tornar seu ambiente mais agradável e, consequentemente, atrair mais clientes. O segredo é pensar no investimento como empresa e não como se fosse para você. “E lembre-se: itens não palpáveis, como publicidade por exemplo, também não deixam de ser um grande investimento”, conclui Vignoli.
 

Mantenha-se atualizado

Esteja sempre pesquisando e se atualizando, sem se acomodar nunca. Vá atrás das novidades, frequente cursos de especialização, feiras e até visite a concorrência. “Esse sempre será um dinheiro bem gasto, afinal vai fazer seu negócio se destacar, obter maiores condições de se manter e também crescer”, conclui Vignoli.

 

9 – Divulgue sua empresa – mas tenha cuidado

Se disciplinar e saber lidar com as finanças da empresa também significa planejar os próximos passos que serão dados. Para isso, estude o mercado para analisar boas estratégias não pensadas pela concorrência. “Para isso, sempre foque no seu diferencial”, aconselha Rafael. Mas preste atenção: na hora de se arriscar, evite gastar dinheiro com ações de divulgação cujo retorno pode ser colocado em dúvida. Nada acontece sem muito esforço, então lembre-se, também, que você é o seu maior propagandista. “Esteja sempre a frente do negócio, conquiste novos clientes, não abandone os antigos e veja suas ações se traduzirem em um maior faturamento”, finaliza Vignoli.
 

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

mbf_banner_noticias_16
Parcelamento pode ser vilão na hora das compras
12% dos brasileiros acreditam que só conseguem adquirir tudo que precisam com a ajuda de parcelamentos e empr  [...]
Compras Impulso
Dicas para não ceder às compras supérfluas
Imediatismo e impulsividade levam consumidor a pagar mais por um produto em forma de juros embutidos nos finan  [...]
mbf_banner_noticias_14
A TV ideal para assistir aos jogos da Copa
Os televisores estão fazendo sucesso nas lojas desde janeiro – com aumento de 60% nas vendas. Aqui, lis  [...]