47864786

18 setembro 2014

mbf_banner_noticias_12-t86u0

Descubra quando vale à pena comprar algo usado e o momento de fugir dessa ideia

Desde sempre as compras e vendas produtos de segunda mão são comuns no país. A persistência ao longo dos anos e o crescimento do número de brechós físicos, por exemplo, sustentam essa afirmação. No entanto, nada se compara à quantidade gigantesca de lojas virtuais que pipocam na internet diariamente e encontra público para toda a sorte de produtos usados. Se vale a pena se arriscar na compra? Caso seja cuidadoso para evitar golpes e comprar somente algo que necessita, você só sairá ganhando com a oferta. “Vale ser muito criterioso, ficar atento aos detalhes e suspeitar de promessas muito tentadoras. Sem esses cuidados, o barato pode sair mais caro do que o esperado”, explica Marcela Kawauti, economista do SPC Brasil. O Portal Meu Bolso Feliz criou um guia completo com 13 dicas que você precisa saber para realizar sua compra de segunda mão de forma responsável e segura. Confira!

 

GUIA DE COMPRAS DE SEGUNDA MÃO NA INTERNET

1- Pesquise preços. No caso de roupas, por exemplo, você encontrará peças de coleções antigas de grandes marcas em outlets online. Para saber se vale a pena levar o produto, cheque a faixa de preço da mesma peça na coleção atual. Com essa noção, você decide se a compra é uma boa opção.

E é exatamente isso que a publicitária Isabela Andrade faz: “Eu amo bazares e lojas online que vendem roupas e acessórios seminovos e usados. Mas na hora da compra, sigo sempre uma rotina. Primeiro, eu pesquiso as tendências e os valores das coleções atuais. Depois, eu invisto em peças que não precisam de um caimento perfeito ou que eu tenho certeza que vão servir mesmo sem experimentar. Boas opções: blusinhas, coletes e, claro, acessórios e bolsas. Outra coisa que eu faço é tentar comprar sempre em lojas que confio”.

2- Invista naquilo que realmente precisa. Sair comprando só porque achou peças mais baratas do que o habitual acaba fazendo com que você gaste ainda mais.

3-  No caso dos eletrônicos, redobre sua atenção. Um botão com mau contato, uma tela trincada ou uma bateria que já não dura tanto podem ser problemas facilmente resolvidos, mas se o aparelho está lento, para de funcionar ou, por exemplo, esquenta mais do que o normal, talvez seja uma roubada comprá-lo. “Por isso, sempre faça a conta do quanto vai sair o produto somado aos ajustes que você terá que fazer. Esse valor precisa ficar abaixo do valor da peça nova”, explica Marcela.

4- Além do preço, fique atento às garantias. É necessário ter muita cautela para não comprar produtos não originais. Por isso, pergunte ao vendedor se ele oferece alguma garantia e a nota fiscal do produto.

5- Pense na forma de pagamento antes de efetuar a compra. Normalmente, produtos de segunda mão são vendidos por seus antigos donos. Por isso, é difícil encontrar muitas opções e alternativas de pagamento, como, por exemplo, parcelamento da compra.

 

FIQUE DE OLHO NOS DETALHES

6- Antes de clicar em “efetuar compra”, cheque as formas de pagamento, prazos de entrega e, principalmente, política de troca e garantia porque itens de segunda mão não costumam ter garantia ou possibilidade de troca.

7- Olhos abertos com produtos muito baratos. Como você desconhece a origem deles, pode levar um susto ao descobrir, principalmente no caso de eletrônicos, que são falsos ou até roubados.

 

SEGURANÇA REDOBRADA

8- Em dúvida sobre a idoneidade da loja? Pesquise em órgãos de defesa do consumidor. Outra sugestão: procure por sites que publicam análises e comentários de serviços das lojas. O E-bit , por exemplo, avalia as lojas por meio de selos de certificação com cinco medalhas diferentes que vão, na ordem decrescente, do excelente ao regular.

9- Não se esqueça de ler a política de privacidade e os termos de uso da empresa que hospeda a venda. Sim, dá trabalho, mas você pode evitar imprevistos.

10- Salve e imprima todo o processo de compra. Assim, caso a aquisição não chegue até você, terá todas as provas de que efetuou o pagamento.

11- Empresas que aceitam plataformas de pagamento garantido via Internet, como a Bcash são mais seguras.  “Outra boa ideia é usar o sistema pagseguro e liberar o pagamento apenas depois que receber o produto”, aconselha Marcela.

12- Descubra se a página possui conexão de segurança. Para fazer isso, basta verificar se o site começa com https://.

13- O Buscapé lista algumas Lojas Não Recomendadas. Já o Mercado livre oferece ao comprador um termômetro que revela a reputação do vendedor. Vale ficar de olho.

Natália Chagas

Natália Chagas

Jornalista, com especialização em marketing e vasta experiência em revistas e portais de notícia. Foi editora de mídias digitais do grupo GR1 Editora e produziu conteúdo para diversas publicações do Grupo Abril, Editora Globo, Folha de São Paulo, entre outros.

Veja também

spc-compras-online
Como fazer boas compras online
Tudo que você precisa saber para fazer compras online de maneira segura e satisfatória As aquisições atrav  [...]
empreenda-mbf
Perdeu o emprego? Veja se empreender é a solução
Desempregados, muitos brasileiros cogitam abrir seu próprio negócio. Mas será que o cenário é favorável   [...]
emprestimoNoticia
7 dicas para a contratação de um empréstimo
Contratar empréstimos é uma prática comum para muitos brasileiros, mas muitos se descontrolam e acabam inad  [...]