Saindo do sufoco

Entra conteúdo de saindo do sufoco.

Como economizar

Atitudes bem simples no seu dia a dia podem garantir grandes reduções nas suas despesas, ajudando no equilíbrio das suas contas e do orçamento familiar.

Confira as dicas para economizar dentro e fora de casa

Como economizar em casa e na cidade

Crédito para sair das dívidas

Quando suas despesas estão maiores que os ganhos, uma das saídas é buscar um empréstimo para pagar as contas.

Esse momento é perigoso, pois quem empresta dinheiro cobra juros, que também se tornam um novo custo para você ou sua família.

A primeira coisa a fazer é planejar o pagamento destas contas, verifique o valor e número de prestações que pode pagar. Use a ferramenta Diagnóstico Financeiro e inclua nas despesas, o empréstimo e os juros a serem pagos.

Juros viram bola de neve

Certos tipos de empréstimos acabam se transformando em verdadeiras bolas de neve, devido às elevadas taxas de juros que são cobradas, como ocorre no cheque-especial (em média, 8% ao mês) e no cartão de crédito (em média, 12,5% ao mês).

Veja o que acontece com uma dívida de mil reais no cartão de crédito que não foi paga.

Bola de neve

É assustador lembrar que tudo isso é proveniente de uma dívida de apenas R$ 1.000,00!

Se você ou sua família está “atolada” em uma dívida deste tipo, procure logo o gerente do banco e proponha uma renegociação. Não tenha vergonha disto. O banco também precisa de uma solução para o seu caso, ou seja, é bom para os dois. Veja como funciona através do simulador Troca de dívidas.

Como renegociar sua dívida

Existem pelo menos duas opções que você pode propor:

a) redução do total da dívida e da taxa de juros;

b) mudança no tipo de financiamento que você está usando.

Neste último caso, você pode obter um empréstimo mais barato, como, por exemplo, o crédito consignado (média de 2% de juros ao mês), para saldar a dívida existente em situações de juros elevados.

Crédito para sair das dívidas

DICAS

1. Renegocie suas dívidas.

2. Cancele o seu cartão ou seu cheque-especial, para que você não fique tentado a fazer novas compras e continuar se endividando. Tome essa atitude até que você consiga equilibrar suas finanças. Dívidas devem ser pagas o mais rápido possível. Alongar o prazo para o pagamento só complica a sua situação financeira.

Limpe seu nome

Se você está endividado e com seu nome registrado nas instituições de proteção ao crédito, como SPC Brasil, o tempo não irá solucionar o seu problema sem que você tome alguma atitude. Organize-se para sair do sufoco.

Como reduzir ou acabar com suas dívidas

Descubra as iniciativas que podem ser tomadas para acabar com suas dívidas

Como sair do sufoco 

Como limpar seu nome

Como limpar seu nome

Saiba o que fazer se o seu nome estiver negativado em um serviço de proteção ao crédito, como o SPC Brasil, por exemplo:

– Se você recebeu uma notificação, verifique qual foi a empresa que te mandou o comunicado.

– Neste comunicado, você será informado sobre a pendência existente.

– Se você não sabe qual a empresa te negativou, você pode obter essas informações entrando em contato diretamente com o posto de atendimento do serviço de proteção ao crédito. Leve sua carteira de identidade e CPF.

– Com isso, você conseguirá um demonstrativo de todas as dívidas registradas e deverá procurar a empresa para fazer as devidas negociações. Siga as orientações de “Como renegociar suas dívidas”.

– Solicite sempre um documento por escrito com os valores dos débitos, dos juros e do acordo realizado entre as partes.

– Se o problema for um cheque sem fundo, procure a agência bancária na qual você tem conta. “Cubra” o cheque com o valor devido. Caso não saiba onde ou para quem deu o cheque, o banco poderá te disponibilizar uma cópia microfilmada dele.

– Após acertar suas contas com a empresa, ela mesma irá retirar seu nome da lista de devedores dos serviços de proteção ao crédito.

Prioridades e consumo supérfluo

Tome cuidado com as compras por impulso. Todos nós gostamos de consumir: um passeio ao shopping com os filhos, uma viagem de final de semana, uma ida a lojas. Mas quando se estão com as contas em desequilíbrio, é preciso cortar tudo que não seja essencial (como roupas, brinquedo, carro novo etc.) e concentrar o orçamento no que você precisa mesmo para viver, como alimentação, gastos com moradia (aluguel, IPTU, contas de água e luz), plano de saúde etc.

Quase a metade dos brasileiros que estão devendo admitem que poderiam ter evitado algumas compras, por terem agido de forma descontrolada ou por impulso. Segundo pesquisas do SPC Brasil, 66% dessas pessoas acreditam que a compra realizada não era necessária. Evite comprar por impulso. Pense bem e reflita para saber se aquele gasto é mesmo necessário.

46% dos inadimplentes admitem que poderiam ter evitado a dívida

A dívida pode ser evitada

Se você precisa trocar de óculos porque seu grau mudou, isso é um gasto essencial. Mas se você quer comprar óculos novos só para ficar na moda, isso é supérfluo. Um tênis novo, por exemplo, pode parecer essencial para um jovem adolescente, assim como uma geladeira maior para uma dona de casa ou um carro novo para o marido.

Para onde está indo meu dinheiro?

Consumo supérfluo

Não queremos que você pare de viver o lado bom da vida e fique só no essencial. Queremos que você aprenda a se organizar para sair do sufoco e viver com mais tranquilidade.

Mas para isso, é essencial a mudança do seu comportamento em relação as compras para a sua recuperação financeira. Reveja alguns hábitos na sua rotina e pense duas vezes sempre que sentir vontade de comprar alguma coisa “extra”!

Pesquisas do SPC Brasil indicam que fatores externos como apelos da propaganda, influência de amigos e parentes e a força das marcas são fortes impulsionadores do consumo excessivo, que te convidam o tempo todo a gastar mais e comprar novos produtos. Dá para resistir, em nome da sua recuperação financeira. Não faça novas dívidas. Vamos primeiro ficar livres das atuais.

Pesquisa SPC Brasil. Fatores que levam aos sonhos de consumo.

Comportamento do consumidor

Busque produtos de consumo mais baratos e que “cabem” no seu bolso. Sempre dá para comprar alguma coisa mais em conta ou mesmo frequentar um bar ou restaurante que não seja caro.

Você não precisa deixar de fazer o que gosta – e sim definir as prioridades com o que vai gastar, de que forma vai gastar e que dinheiro tem disponível para isto. Com planejamento, é possível ter um dinheirinho para aquilo que a gente gosta, como ir ao salão ou a um barzinho no final de semana, sem desequilibrar as contas! Reserve sempre um dinheirinho por mês para gastar com o que é importante para você, sem comprometer as despesas fixas do mês.

Reavalie seus hábitos

Clique na imagem e conheça o ciclo vicioso do consumo inconsciente

Ciclo de consumo

Consumidores agem por impulso, compram em excesso e se arrependem logo depois, não chegando a usar o produto nenhuma vez. Pesquisas do SPC Brasil apontam o comportamento do consumidor:

 Comportamento de consumo em determinadas situações

grafico

DICAS

1. Evite comprar produtos de marca, eles são mais caros e não são essenciais à sua vida. Procure marcas alternativas, que não são tão caras e atendam a seus objetivos. Isso não quer dizer ficar mal vestido ou fora da moda.

2. Muito cuidado com as chamadas “compras por impulso”. Elas satisfazem apenas a um desejo momentâneo. É bem provável que, em pouquíssimo tempo, você, já decepcionado, se dê conta de que o produto adquirido não traz a satisfação que parecia trazer no momento da compra. E o que é pior: podem desorganizar e piorar sua situação financeira.

Tire suas dúvidas sobre este assunto

Converse com o especialista Converse com o especialista
  • Facebook
  • Google Plus
  • Youtube