Tesouro Direto é um programa de venda de títulos do Governo Federal aos investidores interessados. Investir no Tesouro Direto é simples e as transações são feitas pela Internet. Existem várias empresas que trabalham com esse tipo de aplicação, mas a maneira mais segura para você se informar é acessando o site do Ministério da Fazenda: www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto

Você pode aplicar seus recursos na compra de títulos cujo prazo de vencimento varia entre o curto prazo (dois anos), médio prazo (até 10 anos) e longo prazo (que vencem até o ano de 2.050). Eles podem ser pré-fixados (quando a taxa de rentabilidade é determinada no momento da compra) ou pós-fixados (em que a remuneração vai depender da variação da inflação e dos juros do banco Central e só será definida no momento do resgate).

Alguns títulos pagam juros semestralmente, mas há outros em que os juros são pagos apenas no vencimento da aplicação.

Que risco eu corro?

Quem pretende investir em títulos e apenas receber os juros semestralmente ou no final da aplicação basicamente corre apenas um risco, que é de o governo não honrar com seus compromissos. Por ser uma possibilidade extremamente remota, investir em títulos é uma alternativa das mais seguras, considerada de baixo risco.

Entretanto, se você comprou um título e quiser ou precisar revendê-lo antes do vencimento, correrá um risco de mercado. Por exemplo, se você comprou o título por R$ 1.000 para receber semestralmente R$ 50,00 até 2050, e precisar vender no ano seguinte, não terá garantia que alguém o comprará pelo mesmo valor que você o pagou. Você pode ter o azar de ter que vender o seu título a R$ 900, mas também pode ter a sorte de encontrar alguém disposto a pagar R$ 1.100.

Quanto pago de imposto?

Os impostos cobrados sobre as operações realizadas no Tesouro Direto são os mesmos que incidem sobre as operações de renda fixa, como fundos de investimento e CDBs.

Além dos impostos, você terá de pagar duas taxas – uma para sua Instituição Financeira e outra para a BM&FBOVESPA (as bolsas de São Paulo), referente aos serviços prestados. Em geral, essas taxas são significativamente mais baixas que as cobradas em outros produtos de renda fixa oferecidos no mercado:

a) Taxa cobrada pela BM&FBOVESPA

Taxa de custódia de 0,30 por cento ao ano (a.a.) sobre o valor dos títulos, referente aos serviços de guarda dos títulos, informações de mercado e movimentações dos saldos. Se você investir R$ 1.000, por exemplo, terá que pagar à BMF R$ 3,00 por ano.

b) Taxa cobrada pela instituição financeira

A taxa cobrada pela instituição financeira é combinada livremente com o investidor e, na maioria dos casos, fica entre 0,25 por cento e 0,50 por cento a.a. O Tesouro Direto disponibiliza em seu site as taxas cobradas por cada instituição. Pesquise quais são as instituições mais atraentes.

Como faço para aplicar?

Para fazer esse tipo de aplicação, você deve ser cliente de um banco ou de uma Instituição Financeira (também chamada de Agente de Custódia) habilitada a oferecer títulos do Tesouro Direto a seus clientes.

Vale observar que isso não é a mesma coisa que ter conta corrente em banco. As instituições financeiras habilitadas são corretoras de valores, os Agentes de Custódia que guardarão os títulos e farão as transações determinadas por você.  A maioria dos bancos tem sua corretora, mas mesmo já tendo uma conta corrente no banco você precisará abrir uma conta na corretora. Quando da compra de um título o banco transferirá o dinheiro para o pagamento de sua conta no banco para sua conta na corretora através de uma TED.

Depois, basta se cadastrar para as compras de títulos que serão feitas pelo site do Tesouro Direto ou pelo site de seu agente de custódia. Os valores de suas compras serão automaticamente debitados em sua conta junto ao Agente de Custódia.

Após o acesso ao sistema, o investidor escolherá, entre os títulos disponíveis para compra, aquele que melhor se encaixe em sua preferência. Caso necessite do dinheiro de volta e queira revender os títulos antes do vencimento, isto pode ser feito todos os dias a partir das 18:00hs até às 5:00hs do dia seguinte pelo próprio site do Tesouro Direto. Não há uma rentabilidade média, pois os percentuais variam conforme o tipo de título adquirido. Mais detalhes no site do Ministério da Fazenda: www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto

Para saber mais sobre o Tesouro Direto, clique aqui

DICA O Tesouro Direto é uma ótima opção para quem quer investir com rentabilidade e segurança pensando num prazo mais longo. É também adequado aos investidores que desejam diversificar suas aplicações e fugir das altas taxas de administração das instituições financeiras. Também serve para quem quer economizar para ter uma aposentadoria mais tranquila, pois em termos de rentabilidade pode até ser mais interessante que uma previdência privada.