Criado em 1967, tem por objetivo funcionar como uma reserva financeira para o trabalhador. Os recursos do FGTS ficam depositados na Caixa Econômica Federal (CEF) e são utilizados pelo governo na área de habitação popular, saneamento básico e infraestrutura urbana, como a pavimentação de estradas. Os empregadores são obrigados, por lei, a depositar mensalmente 8% de todo o rendimento do trabalhador em sua conta específica mantida na CEF. O trabalhador somente pode sacar o seu FGTS sob condições especiais, tais como demissão sem justa causa, aposentadoria, aquisição de imóvel próprio ou em casos de doenças graves. Para o trabalhador, o dinheiro rende apenas 3% ao ano.