O investidor só vai saber da rentabilidade conseguida quando vencer o prazo da aplicação, pois ela depende da correção da aplicação, que é negociada entre um banco e seu cliente. Os índices de correção mais comuns em aplicações financeiras pós-fixadas são o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), IGPM (Índice Geral de Preços de Mercado), CDI (Certificado de Depósito Interbancário), SELIC (taxa básica de juros da economia). Assim, um CDB que é ofertado com uma rentabilidade de 80% do CD, representa uma aplicação financeira pós-fixada, já que a taxa do CDI não é conhecida no momento da aplicação. Já no caso de títulos corrigidos por índice inflacionário, por exemplo, IPCA, a aplicação segue um padrão de ter uma taxa de juros (digamos, 5% ao ano acrescido da variação do IPCA).