mbf_banner_noticias_03

Uma reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou uma realidade que achávamos não existir mais nos dias de hoje no mundo dos esportes.

Para nós, fãs, ou simples espectadores, esporte, hoje,  é um filão de negócios inacreditável. Os salários divulgados ultrapassam em muito o faturamento de milhões de empresas, sem contar os prêmios, licenças de uso de imagem, produtos licenciados… É uma espécie de euforia, muito distante da vida dos cidadãos comuns, mas um sonho de milhões de jovens que almejam chegar ao topo da fama e da fortuna.

Em primeiro lugar, quando vemos um jovem de talento esquecemos que já existiu muito trabalho até ele chegar lá. Trabalho, competência e, em muitos casos, a famosa sorte, o “estar no lugar certo na hora certa”.

No passado, ou mesmo hoje, com certa frequência – e vamos focar no mundo do futebol – ficamos sabendo de jogadores que alcançam o estrelato, mas, tempos depois, são descobertos em situação financeira muito difícil, com o triste risco de estarem também atolados em dívidas, álcool ou drogas.

O artigo cita também que, ainda hoje, os atletas, inclusive dos grandes clubes, têm muita dificuldade em controlar suas finanças, gastando mais do que podem, se embriagando na fama e nas conquistas fáceis que o dinheiro em excesso pode trazer.

Interessante notar que tal comportamento não é exclusividade dos nossos jogadores, que, em sua maioria, são jovens, sem uma vida escolar regular, além de terem que se dedicar a fundo nesta curta carreira profissional. E, em detrimento da fama tão desejada, deixam de lado a aquisição de novos conhecimentos.

Exemplos não faltam, mas o caso mais notório entre nós é do genial Garrincha e, lá fora, do irlandês George Best, ídolo do Manchester United, que ganhou milhões entre as décadas de 1960 e 80. Falta de controle, más companhias, desconhecimento para gerenciar finanças… Ele mesmo declarou: “gastei 90% do meu dinheiro em bebida, mulheres e carros. O resto eu desperdicei”.

Esta situação, mais atual do que imaginamos, é refletida pelo baixo aproveitamento das oportunidades oferecidas pelo Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo, como nos revela a publicação; afinal,  o próprio presidente da entidade declara que “nosso desafio  é conseguir quebrar esse paradigma de que atleta não se interessa em aprender as coisas”.

Entretanto, são estes mesmo atletas que se tornam referência na sociedade ditando tendências de moda, costumes e ações.

Cada pequeno passo na divulgação da educação financeira é importante para nossa sociedade e estes personagens, tão valorizados e visados, poderiam se tornar referencia para que nossos jovens procurem ter um futuro financeiramente mais equilibrado.

Falta muito, mas felizmente alguns já se conscientizaram disso.

Voltar para colunistas

Veja também

Impulso
Viaje na Páscoa sem comprometer o orçamento
Quer aproveitar a Semana Santa, mas não pode gastar muito? Fique atento às dicas e curta o feriado sem desco  [...]
educacao-infantil-mbf
Coloque limites financeiros nos filhos e aprenda a dizer não!
Veja como aproveitar o dia a dia para educar financeiramente crianças e adolescentes  [...]
mbf_banner_noticias_01
10 sites para ganhar uma grana extra alugando coisas
Está sem dinheiro ou precisa de uma grana extra? Então, alugar itens e recursos já presentes na sua vida po  [...]